AMBEV: Assédio Moral é Baluarte de Estilo Vitorioso

A AMBEV (Companhia de Bebidas das Américas), nascida da fusão entre Brahma e Antarctica, é uma famosa empresa de bebidas que domina o mercado brasileiro. Espécie de orgulho nacional, ela já era há bastante tempo a maior cervejaria da América Latina e, após a associação com a belga Interbrew, tornou-se a maior do mundo. Pessoas de todos os tipos e segmentos sociais a conhecem, por conta das vendas em massa dos seus populares produtos e das propagandas que aparecem todos os dias no horário nobre da televisão. O que nem tanta gente sabe é que esta empresa é conhecida no meio pelo modo polêmico e agressivo com que trata seus funcionários.

Apesar de estar listada entre as 100 melhores empresas para trabalhar no Brasil, de acordo com o Instituto Great Place to Work, muitos funcionários são extremamente insatisfeitos com o estilo de gestão da AMBEV, e a quantidade de processos trabalhistas é bem grande. Isto porque ela adota uma filosofia de trabalho baseada em metas, com foco total nos resultados e na eficiência. Assim, busca, ao máximo, cortar gastos e associar o ganho financeiro de seus empregados à produtividade e ao desempenho nas vendas. Essa postura acaba, muitas vezes, criando um ambiente violentamente competitivo, expondo as pessoas que lá trabalham a situações humilhantes que violam sua dignidade. Por conta disso, diversas são as ações movidas contra a empresa por assédio moral.

No Sergipe há uma reclamação trabalhista de alguns anos atrás em que um ex-empregado alega que era obrigado, caso não cumprisse os objetivos determinados, a fazer flexões até a exaustão com o chefe lhe pisando as costas. Além disso, companheiros seus relataram que um de seus supervisores portava arma de fogo e chegou a dar tiros no emblema da concorrente . Em fevereiro deste ano a AMBEV teve recurso negado para anular uma condenação da Justiça por obrigar funcionários que não cumprissem metas a se deitarem em caixões, sendo às vezes representados por ratos e galinhas enforcados na sala de reunião . Um ex-empregado de Minas Gerais, que recebeu sentença favorável do TST por assédio moral, contou que os vendedores eram obrigados a usar saias, capacetes com chifres, usar batom, e a ouvir xingamentos dos superiores . Em 2004 a empresa foi condenada a pagar R$ 21.6 mil em danos morais por obrigar o autor da ação a passar por um “corredor polonês” enquanto era xingado quando não cumpria as metas. Ainda, quem se recusava a entrar no tal “corredor” era obrigado a vestir uma saia e desfilar em cima de uma mesa. Nesse caso, a AMBEV argumentou em defesa que os constrangimentos eram decorrentes do não cumprimento de metas e que as punições eram aplicáveis a todos, ou seja, não havia discriminação.

Talvez o caso mais conhecido, por conta do valor estabelecido como indenização, seja o da ação coletiva realizada no Rio Grande do Norte. A empresa foi obrigada a pagar uma indenização no valor de R$ 1 milhão por impor situações vexatórias aos que não alcançavam os objetivos definidos, como o impedimento de sentar durante as reuniões, a obrigação de dançar na frente dos outros e de usar camisas com dizeres ofensivos. Em acordo extrajudicial firmado com o Ministério Público em 2008, a cervejaria reverteu parte da indenização em uma campanha contra o assédio moral veiculada nos meios de comunicação do estado.

Como se vê, embora possa não ser a regra na maioria dos estabelecimentos da empresa, são comuns relatos de situações absurdas, absolutamente degradantes e desrespeitosas. Os casos expostos acima são apenas alguns dos que foram parar no judiciário. Além de existirem outras ações do tipo, deve haver um número exponencialmente maior de situações semelhantes, mas desconhecidas. Há no Orkut, inclusive, uma comunidade denominada “eu odeio a AMBEV”, com alguns depoimentos de profissionais que relatam suas experiências de trabalho na empresa. É certo que grande parte dos que lá trabalham se sente desafiada pelo método ambeviano, trabalhando com muito mais empenho e satisfação por poder crescer em um ambiente que valoriza o trabalho duro e demanda o máximo de si. A maioria – mas nem todos – já sabe o que espera por eles lá dentro, e está disposta a passar por essas situações a fim de aprimorar sua carreira e sua condição financeira. No entanto, a consciência prévia das vítimas não exime de culpa essa gigante das bebidas.

A dignidade da pessoa humana, fundamento do Estado brasileiro de acordo com o art. 1º, II da Constituição Federal, sofre violações graves com as práticas aqui explicitadas, independentemente da possível anuência dessas violações pelo livre-arbítrio da pessoa. Não é ético e está em desacordo com os ideais do nosso Estado passar por cima de princípios basilares que regem, mais do que as relações de trabalho, as relações entre seres humanos, a fim de aumentar as receitas da companhia. Mesmo que em muitos estabelecimentos da empresa não existam comportamentos repulsivos como os demonstradas aqui, o modelo de gestão adotado produz o ambiente ideal para o surgimento deles. A contradição é que esse modelo, em grande parte, é o responsável pelo imenso crescimento desta que hoje é maior cervejaria do mundo. Muitos especialistas dizem que ele é antiquado, que estímulos positivos conjugados ao respeito e à valorização do funcionário funcionam melhor. No entanto, parece difícil, em função dos resultados, negar que pelo menos no caso da Ambev esse modelo é bastante eficaz. Agora, então, o estilo Ambeviano propaga-se pelo mundo em decorrência justamente do seu sucesso. A eficiência desse tipo de gestão antiética multiplica, como atributos complementares, a eficiência e a falta de ética. A AMBEV é, então, motivo de orgulho para nós brasileiros por ser uma empresa nacional (e hoje também belga) que se expandiu a ponto de ser líder do mercado mundial, ao mesmo tempo em que é motivo de vergonha por utilizar intimidações e humilhações como meios de se obter bons resultados. Essa ambivalência nos deixa com as seguintes perguntas para reflexão: Afinal, é válido que uma empresa adote um modelo de gestão que use a exposição ao ridículo e o desrespeito como instrumentos para o sucesso? É válido que a ética ceda lugar à produtividade?

 

Veja os casos citados neste post em:

http://www.conjur.com.br/2006-dez-18/ex-empregado_ambev_indenizacao_danos
http://www.memesgestao.com.br/jportal/portal.jsf?post=31587
http://www.direitonet.com.br/noticias/exibir/11479/Ambev-e-condenada-por-usar-assedio-moral-para-aumentar-produtividade
http://www.conjur.com.br/2004-ago-17/ambev_condenada_submeter_empregado_humilhacoes
http://noticias.uol.com.br/empregos/ultimas-noticias/2008/08/08/condenacao-faz-ambev-promover-campanha-contra-assedio-moral.jhtm

  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • Orkut
ERA
ERA
Related Posts
Showing 34 comments
  • Flávio Simone da Silva

    É um absurdo que fatos dessa natureza ocorra ainda no Brasil. É horrível esse tipo de tratamento com funcionários , sistema cruel.
    Vou parar de consumir produtos dessa AMBEV.

  • João Carlos

    Escrevo preocupado com o futuro do mundo corporativo e da saúde dos Brasileiros:

    Quando a Interbrew da Bélgica comprou a Ambev, a verdade é uma só, ela comprou a gestão escrava de trabalho realizada pela gigante Brasileira, gestão muito inteligente, que poucas pessoas conseguem entender realmente como funciona.
    Qual é a estratégia da Ambev para ser a empresa de maior rentabilidade do segmento, ela contrata pessoas jovens, dentro de um perfil com alta competitividade, que não admitem perder, oferece um bônus muito agressivo para o cumprimento das suas metas, cegando estas pessoas para a vida que existe fora da Empresa, principalmente familiar, estes funcionários trabalham por dois ou três, com carga horária muito alta, dez a quatorze horas por dia, se a empresa tem vinte e dois mil funcionários, deveria ter trinta e cinco mil, além da pressão para aumentar sua produtividade.
    A estratégia é realizada de uma maneira tão eficiente, que os funcionários não percebem que estão trabalhando muito além dos seus limites.
    A média que os funcionários ficam na Ambev é de quatro a cinco anos, neste período, como todos são jovens, ainda não passam por problemas de saúde, mas, sei de casos de pessoas com mais de dez anos de trabalho que tentaram se suicidar.
    Foi exatamente este trabalho escravo que a Interbrew da Bélgica comprou da Ambev, vamos lá! Você acha que uma empresa compra a outra e quem mantem o comando é a empresa comprada, isso não existe, para você ter uma ideia, foram enviados executivos para vários lugares do mundo para implantar a política escrava, mas, os diretores travaram falando que seria um absurdo, trocaram os diretores.
    Uma das atitudes tomadas é fazer com que a família compartilhe ou estimule ainda está loucura. Olha está situação! Enviaram um telegrama para casa de um funcionário, em nome da sua esposa, com um folder muito atrativo de uma bela viagem para Bueno Aires, se tratava de um incentivo interno, de grande importância no momento, em anexo havia uma senha para as esposas acompanharem o ranking pela internet, desta maneira, a empresa conseguiria atingir por completo seu objetivo, fazer com que o funcionário trabalhasse muito acima do normal, e ainda com apoio e sob pressão da família.
    Além da economia no quadro de pessoas, estes funcionários são pressionados de uma maneira que conseguem chegar a resultados acima da meta, outro lado que compensa para a empresa, estes dez, vinte ou trinta por cento a mais da meta realizados, geram milhões a mais para a empresa, se este funcionário entrar com uma ação trabalhista referente a danos morais, vai levar no máximo cinquenta mil reais, ao menos este é o valor oferecido, e as horas extras a Ambev descaracteriza como cargo de confiança, art. 62 da lei trabalhista, sem acompanhamento de jornada de trabalho, tudo mentira, os processos geram monitoramento de trabalho, mas, A gigante tem uma bela estrutura jurídica.
    Outra situação criada é diretamente no ambiente de trabalho, quem vai para casa no horário é taxado como descomprometido, todos olham com cara feia, e este funcionário não dura muito, é demitido, e ainda, serve de exemplo para os outros.
    “Campanha Nacional contra o Executivo Escravo”
    “Você tem Família” “Você tem vida” então viva…Não beba produtos da Ambev…

    • ERA
      ERA

      Caro João Carlos,
      O seu comentário ajuda ainda mais a jogar luz sobre os métodos complicados utilizados pela AMBEV. O fato de a pressão chegar a atingir a família, como colocado no seu texto, é preocupante, parece uma espécie de chantagem sobre os familiares. Usar a família do funcionário como instrumento para o lucro empresarial, nos moldes como os explicou, é uma atitude indefensável.
      Cremos que quanto mais pessoas souberem desses métodos problemáticos, maior será a pressão para o fim deles. Poucas pessoas parecem estar a par da realidade que perpassa o sucesso dessa gigante das bebidas. Por isso, a sua manifestação, assim como a de vários outros, é muito importante para expô-la. Obrigado Pelo comentário.
      Pedro Fernandes

    • Gil

      As palavras do João carlos, resume tudo , trabalhei 9 anos neste inferno chamado AmBev.

    • Ex-estagiário

      Suas palavras descrevem perfeitamente o que é vivido pelos funcionários da empresa.

      Falo como ex-estagiária. A Ambev não respeita direitos básicos e primários, e que são essenciais para um estagiário com várias obrigações com a Universidade. Por exemplo, o RH se nega a dar o recesso obrigatório por lei e, ao final do estágio, se faz de desentendido para não pagar o valor relativo à esse recesso que não foi tirado. Já ouvi do meu próprio gerente de engenharia, que passa umas 13 horas por dia na empresa, que ele não sabia que estagiário tinha direitos.
      Em relação ao horário, eu era coagida a fazer muito mais do que era paga e definido por lei (6 horas diárias, por ainda ser estudante e estagiária). Quando, nas pouquíssimas vezes, eu saía no meu horário certo, dava um ruído enorme e eu era extremamente mal vista!! Taxada como irresponsável, como descomprometida, exatamente como já foi comentado aqui!!! E tudo isso pelas poucas vezes em que quis sair no meu horário de direito!! Obviamente eu não tinha banco de horas, então, todo o tempo em que fiquei após este horário, foi de graça, tipo trabalho escravo mesmo.
      Eles pegam pessoas jovens dispostas a abrir mão de suas vidas e famílias, fazem uma lavagem cerebral, e essas pessoas compõem uns 5% do quadro de funcionários que tem grande poder de persuasão sobre os outros.
      95% dos funcionários que trabalhavam na minha unidade eram extremamente insatisfeitos e infelizes. O que eu vejo acontecer a longo prazo, é que somente pessoas incompetentes continuam a trabalhar na cia, principalmente no baixo escalão. Logo, espero que chegue um dia que este estilo de administração não se sustente mais.

  • Anonimo

    A Ambev filial de santa catarina tem vários processos trabalhista milhionario
    inclusive por fraude no banco de horas dos funcionários se alguem tem
    duvidas basta entrar no trt 12 primeira e segunda vara procurar por processos contra a ambev
    e verão os absurdos cometido …

  • Edilson

    Fui funcionário ( Vendedor ) da Ambev por 6 seis anos em Salvador-BA, a pressão é tão grande, que, se o cara absorver tudo o que eles dizem, a pessoa fica maluca, sim maluca, pois tenho um amigo que surtou por conta desta pressão. Eu não fiquei maluco, mas tive uma supervisora, que me tirou do sério.
    Cheguei ao ponto de ficar quase dois meses sem conseguir ter relações sexuais com minha esposa, que na época era minha namorada. Chamei o gerente e informei o fato a ele e pedi que ele me colocasse em outra mesa, pois com ela não dava mais, assim ele o fez fui para outra mesa com um supervisor que tinha uma outra linha de raciocínio e minha vida mudou, estava de volta a minha vida.
    Assim que eu sai em 2008, foi só o tempo de receber a rescisão, e de imediato contratei um advogado. Não precisei falar muita coisa pra ele, pois a Ambev já era freguês dele. Ele já tinha um arsenal de munição, já tinha ganho varias causas contra a mesma e não foi diferente com a minha,demorou levou três anos, mas chegou R$83.000,00.Vou pagar algumas coisas que estão pendentes e realizar o meu sonho, que é comprar o melhor carro que o brasil já fabricou o GALAXIE 500 OU LANDAU o resto vou guardar.

    Saiu da ambev? mete no pau que é causa ganha.

  • Rosângela

    Trabalhei como estagiária na AmBev. Foi uma loucura: ganhava menos de 600 Reais por mês, perdia prova da faculdade direto, nunca ganhei nem um centavo de hora extra e o refeitório servia uma comidinha de presídio.
    Como estagiária tive um grande aprendizado, pois foi a primeira vez na minha vida que vi muitos dos conceitos de Administracao serem colocados em prática.
    A administracao da empresa é altamente enxuta e eficiente como eu nunca vi em lugar nenhum na minha vida.
    E eles tb te fazem acreditar que se você se esforcar, você chega lá.
    Só que depois de um tempo comecei a perceber que a maioria da forca de trabalho da empresa era composta por ESTAGIÁRIOS! E que havia pouquíssimos lugares para se “chegar lá”.
    Perdi minha vaidade (eu fiquei parecendo um menino na época), perdi minha saúde, perdi minha vida social, tudo em nome da ambicao, de querer chegar ao topo.
    Me esforcei ao máximo, trabalhei tudo o que pude e depois de um tempo fui chamada pra uma conversa com o Plant Manager e ele disse que eu nao tinha iniciativa, que eu precisava me esforcar mais e fui descartada como um cachorro morto.
    Na época fiquei arrasada, sem chao, me sentindo a pior criatura do mundo.
    Anos mais tarde descobri que a minha colega de trabalho, devido à extrema competicao interna, havia armado para mim. Todos sabiam, ninguém me disse nada.
    Hoje em dia olho para trás e vejo que tive perdas e ganhos:
    Carrego no meu curriculum o nome de uma grande corporacao e que até hoje, mais de 10 anos depois do ocorrido, ainda abre portas profissionais para mim.
    Por outro lado perdi um ano de faculdade, ganhei pouco, tive gastrite e passei raiva ao ser “descartada”.
    Apesar de eu achar os métodos da AmBev exagerados, acho que eu faria tudo de novo, mas como estagiária. Funcionária nao!
    Hoje em dia eu até evito de comprar produtos AmBev.
    É uma relacao de amor e ódio para mim.

  • LUIZ FERNANDO O. RAGAZINI

    BOA NOITE LI TODOS OS COMENTARIOS ACIMA, SE CONCORDO»????ACREDITO QUE A AMBEV É UMA EMPRESA PARA QUER QUER VENCER ALIAS NADA NA VIDA É FACIL,O QUE MAIS ME CHAMOU ATENÇAO FOI UM RAPAZ EM TEXTO ACIMA QUE DISSE FUI VENDEDOR POR SEIS ANOS…….SEIS ANOS….. COMODISMO, NA AMBEV VC CRESCE CONFORME SUA COMPETENCIA , O CLIMA É COMPETITIVO SIM, MAS NADA CONSTRANGEDOR VC TEM QUE TER SANGUE NOS OLHOS, GARRA , VONTADE DE CRESCER….POR ISSO EU DIGO A TODOS QUE ME PERGUNTAM, EU TENHO O MAIOR ORGULHO DE TRABALHAR NA AMBEV, É UMA EMPRESA QUE CUIDA DE MIM PORQUE EU SEI O QUE QUERO E SOU DETERMINADO NOS MEUS OBJETIVOS, E CUIDA DA MINHA FAMILIA PARA QUE EU POSSA TRABALHAR EM PAZ …….ISSO É PARA AQUELES QUE Ñ TEEM O QUE FAZER E FICAM POSTANDO LADAINHA …….

    • Gil

      TENHO PENA DE VC LUIS FERNANDO, POIS ACREDITO QUE VC É FUNCIONARIO DA AMBEV, QUANDO EU TRABALHEI LÁ TB, DEFENDIA A EMPRESA, MAS ESQUECIA FAMILIA, NÃO TINHA TEMPO DE APROVEITAR MOMENTOS COM MINHA FILHA PEQUENA, HOJE ,GRAÇAS A DEUS TRABALHO EM OUTRA EMPRESA QUE ME VALORIZA , QUE NÃO PRECISEI PUXAR O SACO DE NINGUEM PARA CONQUISTA-LO.

      • LUIZ FERNANDO O. RAGAZINI

        Ñ SEI COMO ERA NO SEU TEMPO MAS EU HOJE ESTOU SATISFEITO COM MEU TRAB. E TENHO MINHA INDEPENDENCIA FINACEIRA, PARA ISSO Ñ FOI PRECISO PUXAR SACO DE NINGUEM. Ñ PRECISO QUE VC TENHA PENA DE MINHA PESSOA, NÓS NOS ENCAIXAMOS NAQUILO QUE ACREDITAMOS SER O MELHOR PARA NÓS. CONSIGO MANTER O TEMPO DOS MEUS FILHOS INTACTO É SO PARA ELES E PARA MINHA ESPOSA, O NOSSO TEMPO QUEM FAZ SOMOS NÓS MESMOS

    • Cherly Wilton A. da Silva

      Teu comportamento é típico de um puxa-saco insano que não tem noção do que fala, mas o tempo vai revelar-te o que está guardado para cada um que acredita nesta farsa que é a ambev, é por isso que existe ainda escravidão no brasil, por conta de pessoas que prostituem a própria dignidade por um punhadinho de dinheiro. Vai orar e trabalhar pelo senhor Jesus Cristo pois o teu capitalismo e tua ambição canibal, não converge ao que foi escrito, “amarás ao teu próximo como ati mesmo..”, essa empresa parece ser verdadeiramente uma ceita capitalista onde o que vale é o lucro fácil, teu trabalho vale muito mais irmão, se valorize , acorde!!!!!!

    • Marcão

      Vc falou tudo, foi muito feliz em seu dialogo, realmente só cresce quem quer.

    • Marcão

      So sobrevive quem é forte. Entrei na companhia em 2006 como auxiliar de produção e depois de 7 anos já ganhei 3 promoções e hoje sou técnico operador sênio, Consegui fazer meu curso técnico pago pela propiá empresa e hoje faço Engenharia de produção e serei supervisor. Minha vontade é crescer dentro da companhia, mais para isso tenho que ter vontade e determinação, se não tiver sonhos vc vai morrer operador e vai ralar pelo resto da vida. sinto pena de tantas resposta ridícula e e sem pé e sem cabeça. Provavelmente são pessoal que nunca tiveram vontade de ser alguém, desculpe o desabafo mais é isso que eu acho seus bando de hipócritas.

  • WINSHESTER

    OLHAA POUCO TEMPO VEJO QUE ESSA AMBEV SÓ TEM NOME , POIS TEM MUITAS PESSOAS LA QUE NEM SABEM O QUE FAZER , POIS NA MAIORIA DAS VEZES FAZEM FACULDADE PRA SEREM CHEFES LA E NAO PRA APRENDEREM MAS ISSO AINDA NAO É O PIOR , POIS NESSA PORRA VC FICA LOKO PASSA POR CADA SUTUAÇÃO QUE NEM SABE PARECE UMA EMPRESA DEMONIACA QUE VEIO AKI PRA TIRAR SUA PAZ

  • VANDERLEI

    TRABALHEI NESSA EMPRESA 13 ANOS E O QUE POSSO DIZER É QUE SÓ TEM VALOR QUEM PUXA O SACO DAQUELES CHEFETES QUE AMBEV CRIA LA DENTRO E O PREMIO QUE A EMPRESA DA TODO ANO É SÓ ILUSÃO TEM QUE SE MATAR PRA VE SE VAI RECEBER O PREMIO PORQUE NÃO ESTA GARANTIDO ELA DA O PREMIO SE QUIZER. AMBEV É UMA GIGANTE QUE SÓ CRIA ILUSÃO PARA QUEM ENTRA PRA TRABALHAR.

  • Ana

    O ministério do trabalho precisa fechar esta Cia devido a quantidade de processos trabalhistas existentes no Brasil e agora no mundo!!!
    Precisa-se auditar os pontos eletronicos com hiper jornada!!!

  • F.M.

    Boa tarde senhores.

    Tenho que confessar que estes desabafos me assustaram um pouco. Um pouco não, bastante. Sou funcionário da CIA, área de supervisão. No meu ponto de vista estou bastante satisfeito com a empresa. Esse lance de um trabalho com pressão, níveis de exigência elevados existem, mas muitas vezes somo nós mesmo que internaríamos esta pressão. Sou cobrado para atingir resultados sim, e devo confessar – gosto desse tipo de gestão. Particularmente, preciso de metas. Me sinto um tanto desafiado. Mas isso é perfil. Já li comentários e conversei com muita gente (funcionários) a fim de saber o que pensavam sobre o trabalho na empresa e, realmente é caso de amor e ódio. A AmBev, como qualquer outra empresa é feita de pessoas. E são essas pessoas que fazem com que a empresa tome determinados rumos e seja avaliada de diferentes óticas. Meus gerentes nunca me colocaram essa pressão citada. A própria demanda é alta e fã com que a gente se sinta pressionado. E por estes motivos, muitas vezes eu termino o meu dia com a sensação de não ter feito 60% das minhas tarefas. Assim, devo priorizá-las. Não quero colocar as qualidades no pedestal, tampouco defender a AmBev. Mas o meu ponto de vista é um pouco diferente. Nós temos muito trabalho diariamente. E quando digo muito, é muito mesmo. Mas a minha capacidade de equilibrar as tarefas profissionais x pessoais é o que me faz gostar de trabalhar nesta empresa. Sou eu que me pressiono, justamente por gostar dos desafios. Em relação aos absurdos, acredito sim que existam. Não só na AmBev como em qualquer outra empresa com os mesmo objetivos. Mas aceitar esses absurdos é uma escolha do próprio funcionãrio. Já esse tipo de gestão antiética, é característica do gestor e não da companhia. Eu sou responsável por muitos funcionários e nunca precisei expor nenhum deles para alcançar o meu objetivo. Vale ressaltar: temos que trabalhar duro e acreditar no que estamo fazendo. Seja vendendo carro, sorvete ou tocando projetos!
    Boa sorte e sucesso a todos!

    • mauro rangel

      ACHO QUE O COMPORTAMENTO DOS FUNCIONARIOS DA AMBEV QUE PREJUDICAM PESSOAS DE SUAS COMUNIDADES DEVERIAM SER AFASTADOS IMEDIATAMENTE, POIS SABE LAH O QUE NÃO FAZEM DIRIGINDO UMA EMPRESA DESTE PORTE!
      GRATO
      MAURO

    • T.OTARIOS

      F.M SEMPRE TEM GENTE COMO VOCÊ QUE DEFENDE ESTÁ EMPRESA MISERÁVEL , QUE PAGA MAL E ENGANA O ANO INTEIRO DIZENDO QUE VAI PAGAR O TAL PEX QUE NINGUEM VÊ ACOR PAGA OQUE ELES ACHAM OU SEJA NUNCA PAGAM !! QUANDO PAGA UMA MERRECA QUE O CARA SE MATA DE TRABALHAR O ANO INTEIRO E RECEBER SOLAR OU SEJA ACORDE MAIS TARDE VC VERÁ A VERDADE !!! FICA A DICA …

  • L.S

    Trabalhei 4 anos nessa Fábrica de Reuniões que produz cerveja. Cansei de passar a madrugada inteira trabalhando. Quando saia às 07:00 h da minha rotina cansativa ainda tinha que assistir reuniões, morrendo de sono! E a segurança do trabalhador? Claro que um Supervisor vai falar bem da CIA. Lembro-me muito bem que uma superviosora me falou ” Eu defendo os interesses da empresa, fo… os seus direitos”, quando eu muito indignada reclamei do meu banco de horas. Pois as minhas horas estavam extremamente positvas e ela me obrigou a ficar uma semana em casa para não pagar a hora extra. Coisas mais teria para contar… Mas contarei em uma ação na justiça que já resolvi: Vou agir!!!

    • mauro rangel

      soh na justiça mesmo contra estes exploradores!

  • FZURC

    TENHO ORGULHO DE FAZER PARTE DA MAIOR COMPANHIA DE BEBIDAS DO MUNDO!!!! HÁ TODOS QUE AQUI FIZERAM SEUS COMENTÁRIOS CONTRA ESTA COMPANHIA, VAI UMA DICA: APRENDAM A TER RESILIÊNCIA!!! SE NÃO APRENDERAM A TER NA AMBEV, NÃO APRENDERÃO A TER EM LUGAR ALGUM!!! AMBEV É PARA POUCOS! POUCOS QUE MUITO SE REALIZAM!!!

  • Philipi S Bezerra

    É impressionante ainda existe pessoas que são capazes de dizer que a Ambev é boa, trabalhei um determinado período e a única coisa que vir foi colegas que recebiam promessas de terminados benefícios como bolsa para faculdade e tinha que dar a vida para receber tal benefício. Bom inclusive vir um colega morrer no setor e um funcionário tipo essas pessoas que dizem que a tal é uma excelente empresa assinar alegando que o mesmo morreu a caminho do hospital. Precisamos ser mais enfáticos nessas causas pois até fazer propaganda que a cerveja Antártica é duplamente filtrada eles fazem, os freezers das marcas que a mesma fabrica qua fica nos estabelecimentos de venda indicam que a cerveja que está dentro armazenada, está com a temperatura de 5° negativos , imagine só que essa temperatura comgelaria a cerveja. É isso aí e desta forma que ela se torna a maior do mundo ludibriando o consumidor. E claro com o sua matéria prima principal barata, que é a água, que representa 90% de sua produção. sem contar a mão de obra que praticamente escrava!

  • Felipe

    É vergonhoso se colocar na posição de “vítima”.
    A Ambev é uma companhia excepcional, suas metodologias valorizam a Meritocracia, os bons são privilegiados e são tratados de forma diferente. NINGUÉM nunca foi obrigado a trabalhar lá, se 75.000 jovens se inscrevem todo ano no Programa de Trainee da Ambev, sendo este o mais competitivo processo de seleção do Pais, acredito que ninguém nunca o fez por obrigação.

    Porém, há de se respeitar os que são menos ambiciosos, precisam de mais tempo com a família, enfim. Entendam, a espaço para todos neste mundo, devemos respeitar. E não há o que falar de uma empresa que valoriza os melhores e contribui para o crescimento de nosso pais de uma forma engrandecedora,

    Admiro e me espelho no modelo Ambev – conheço milhares de ambevianos e ex-ambevianos, e somente ouvi falar bem da companhia. Mediocridade de gente medíocre, não tem jeito. Sempre terá – mas estas nem nunca perdi meu tempo,

    Sucesso a todos

    • Pedro

      Curioso, trabalho indiretamente com funcionários da AMBEV a mais de 10 anos, e nunca, NUNCA, conheci um funcionário que “falasse bem” da companhia. O máximo que ouvi, de um diretor, uma única vez, foi que “sim a empresa é uma bagunça mas estamos trabalhando para resolver” o que está muito longe de falar bem.
      Também, que o sistema busca meritocracia não duvido, o que me espanta é a imensa incompetência de todos os setores. Dificuldades imensas para resolver problemas simples. A única coisa que importa na empresa é puxar o saco do superior. Coisas só são resolvidas quando você chega em diretores, porque é impressionante a falta de proatividade dos funcionários de baixo escalão. No local que mais conheço, tiveram que comprar um gerador elétrico, porque várias vezes a distribuição PAROU POR FALTA DE PAGAMENTO DA CONTA ELÉTRICA. Não por falta de dinheiro. Mas sim porque num setor de 30 pessoas administrando apenas esse local ninguém cuidava disso.
      Não é de se espantar, numa empresa que usa a humilhação e degeneração como forma de “incentivo”, que apenas incompetentes aceitem trabalhar lá. Quem tem o mínimo de padrão ético não dura. Incluindo esse diretor que citei.
      Já sobre a contribuição para o crescimento no Brasil, o que a empresa mais faz é contribuir para o crescimento de processos trabalhistas.

      Além disso, a dignidade humana, como fala nossa constituição, não depende da anuência dessa pessoa. Portanto, sua afirmação de que “ninguém foi obrigado” a trabalhar lá mostra o quanto funcionários da empresa (como você) não tem a mínima noção do que é ética.

  • Pedro Jungbluth

    Posso afirmar, conhecendo a empresa de perto, que o sistema de gestão agressivo é insustentável. Pode funcionar por um período, mas no momento que se satura, começa um canibalismo na empresa que gera ineficiência, o que geram novos ciclos de demissões e renovações. Se a empresa quer evoluir, precisa evoluir sempre. Mas os funcionários são escravos do resultado do trimestre, e de promessas de bônus por metas inalcançáveis.
    Lógico que esse sistema agora entrega bons resultados, a empresa é uma bagunça gerada por várias fusões e tem muita gordura interna pra queimar. Mas quero ver como ficará quando essa gordura acabar, e precisar de eficiência mesclada com sustentabilidade.
    Ate lá, claro, os acionistas, presidentes e diretores já estarão ricos, e não se importarão.

  • Flávio munhoz

    Nunca pisaria meus pés nessa empresa chamada Ambev, que mais parece uma Senzala de acordo com os comentários aqui postados. Segue o aviso.

  • C Feeria

    Farei o possível para divulgar estes casos a familiares, amigos e quaisquer possíveis consumidores. É insustentável basear todo um processo de produção em meritocracia exatamente pelo pouco espaço que a empresa oferece em ser plural com os diferentes tipos de funcionários que deveria aceitar. Não é caso de “resiliência” como os coitados acima comentaram, resiliência é uma escolha. Toda empresa tem o dever de aceitar seu funcionário como portadores de uma vida pessoal, projetos próprios, ambições criativas, além dos múltiplos papéis que estas pessoas desempenham para seu próprio bem-estar e que resultam sim em maior produtividade. Vocês não enxergam o tamanho da atrocidade à dignidade humana que cometem se entregando assim por um maço de dinheiro? Se vocês não têm tempo de descontração, descoberta de novas sensações ou engajamento em qualquer coisa que justifique a sua existência, qual o motivo de tanto esforço cotidiano?
    Quanto à produtividade deste estilo ser a máquina motriz de um país, isto é balela. Oito horas diárias estendidas ao máximo às 10 com pagamento dos extras, são suficientes numa empresa bem administrada para saldar as dívidas de produção e promover crescimento social. Se isto não ocorre neste período, o problema está no momento financeiro do mercado e na gestão do topo da empresa. Não são pontos a serem solucionados com exaustão, humilhação e este tipo macabro de incentivo.

  • Mirilin Abreu de Araujo

    Lamentável, conheço uma pessoa que não aguentava mais com tanta pressão psicológica, que deu Graças a Deus de ser demitido, mudou de comportamento, perdeu a saúde e por pouco a família isso é crime a tortura psicológica acho que não precisa tanto mais assim como fazem campanhas sobre cigarro deveria fazer também sobre bebida alcoólica, já que cerveja está incluída mas isso é estranho né….
    Para os mais preparados profissionalmente Parabéns!!!! mas para uma empresa funcionar bem a engrenagem tem que ser boa, ou seja tem que ter ética, quando o funcionario está motivado, a coisa anda, LÍDER NÃO TEM QUER TIRANO TEM VESTIR A CAMISA DA EMPRESA E SABER COMANDAR

  • roberto loyola

    Bom dia , me chamo Roberto sou funcionário ou ex nem sei mais ,então em ; 2010 comecei a trabalhar na ambev era um sonho da minha vida ops sonho que hoje 08/11/2016 nem dormir consigo mais AFF . Fui subemetido a uma tortura psicológica extrema em que estou doente até hoje e acho que nunca mais irei ficar bom, apesar de atualmente conseguir me relacionar virtualmente com as pessoas e pouco fisicamente, me sinto melhor um pouco confuso com o passar dos anos ,em fim me colocaram em uma sala escura com dois sugeitos me ameaçando com arma de fogo dizendo para que eu assumisse um roubo de mercadoria da companhia,ops disse que não era ladrão e nunca tinha roubado uma agulha de ninguém ,portanto não iria assinar nada, então perguntaram se eu gostava da minha família nossa foi o fim do meu sonho e o começo de um eterno pesadelo , começou uma grande confusão , resumindo ; hoje depois de 6 anos estou aposentado por invalidez totalmente depressivo e dependente de varios medicamentos e sem condições de compra los ,aguardando decisão da justiça .

  • Vinicius silva

    A ambev é a maior empresa de bebidas do mundo, mas, tá longe de ser a melhor. Uma empresa que escraviza seus colaboradores, que paga um salário defasado, está muito longe da excelência, excelência essa que eles dizem ter. Lamentável essa empresa.

pingbacks / trackbacks

Deixe uma resposta para FZURC Cancelar resposta