Prisão perpétua à brasileira: o caso Champinha e a Unidade Experimental de Saúde

 

Histórias de crianças e adolescentes “criminosos” sempre provocam reações na sociedade. Passa-se a questionar quais os motivos que levam um jovem menor de 18 anos a cometer certos atos infracionais análogos a crimes, onde estavam os pais ou responsáveis no momento, se a diminuição da maioridade penal surtiria algum efeito…

A mídia também tem papel importante na reação da sociedade. Casos famosos, como dos meninos que arrastaram João Hélio, ou do Champinha, que assassinou um casal de namorados em Embu-guaçu, atiçam a ira de todos os cidadãos, tanto pela atrocidade destes crimes, quanto pelo resultado jurídico dado aos casos.

O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei no. 8.069/1990, foi criado para proteger as crianças e os adolescentes, determinando, também, as medidas sócio-educativas pertinentes a serem aplicadas nos casos em que os adolescentes cometem crimes. Note-se, então, que para as crianças (i.e até 12 anos incompletos) que cometerem atos infracionais são apenas aplicadas medidas como encaminhamento aos pais, orientação e acompanhamento, matrícula obrigatória em escola, etc (art. 101 ECA), não havendo previsão de nenhuma medida repreensiva gravosa.

Já para os adolescentes (12 anos completos até 18 anos incompletos), analisando a gravidade do ocorrido, o juiz da Vara da Infância e Juventude deve aplicar uma das medidas previstas no art. 112 do ECA. Dentre estas, destaca-se a internação em estabelecimento educacional.

A internação é aplicada aos atos infracionais de grande ofensividade aos bens jurídicos penalmente tutelados, como a vida, a integridade corporal, a liberdade, dignidade sexual, etc. Assim, nestes casos supracitados, aos meninos que mataram João Hélio e a Champinha, foi determinada a internação em estabelecimentos, para que pudessem ser ressocializados e protegidos.

Grande parte da doutrina jurídica entende que medida sócio-educativa não se confunde com a pena, isto é, não é uma sanção, mas sim uma intervenção aplicada para proteger o adolescente e educá-lo para que possa retornar à sociedade. De acordo com a legislação atual, o período máximo de internação é de 03 (três) anos, sendo possível sua aplicação somente até os 21 anos do indivíduo.

Entretanto, no caso de Champinha, que matou friamente o casal de adolescentes em SP, uma manobra jurídica do Ministério Público de SP fez com que o mesmo permanecesse encarcerado por mais tempo que o previsto legalmente. Quando cometeu o referido ato infracional, em 2003, ele tinha 16 anos, tendo sido determinada sua internação por 3 (três) anos.

Assim que completou este período de resguardo, porém, o MPSP ajuizou uma ação de interdição civil, alegando que ele não tinha condições psicológicas de retornar à sociedade, estando propenso a cometer crimes novamente. O juiz determinou, então, sua internação hospitalar compulsória na denominada “Unidade experimental de saúde” (UES), criada exatamente para receber indivíduos como Champinha (interessante pontuar que o mesmo foi o primeiro a entrar neste programa).

A Unidade Experimental de Saúde (UES) é um equipamento atualmente pertencente à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, destinado a custodiar, segundo o Decreto que o regulamenta (Dec. nº 53427/2008), “adolescentes e jovens adultos” com diagnóstico de distúrbio de personalidade e alta periculosidade, que cometeram atos infracionais graves, egressos da Fundação Casa e interditados pelas Varas de Família e Sucessões.

O que se argumenta contrariamente a esta internação, é que ao contrário da medida de internação, esse novo encarceramento não é precedido do cometimento de um crime, cuja apuração tenha se submetido às garantias da lei. O jovem é para lá enviado sem que tenha praticado novo ato algum, após ter sido exaustivamente responsabilizado pelo ato infracional cometido. Sem prazo legal para liberação, o jovem permanece enclausurado até segunda ordem judicial (casos como o de Champinha, que comoveram a sociedade, deixados na mão de um juiz, que é humano e tem filhos, podem permanecer por tempo indeterminado nestes locais, o que denotaria uma prisão perpétua à brasileira?)

Portanto, se estamos diante de um sistema falho da internação, que tem por escopo tratar o sujeito que cometeu atos infracionais, não deveríamos rever como são tais instituições de recolhimento de menores, ao invés de criar outro instrumento jurídico para punir o adolescente, sob pena de estar condenando-o bis in idem?

Por outro lado, sabendo da situação psicológica destes sujeitos, com distúrbios sérios de personalidade ou psicopatia, de difícil cura, permanecer apenas 3 anos em uma instituição parece muito pouco, já que as chances de reincidência são altíssimas.

Havendo um tratamento psicológico e psiquiátrico efetivo, seria possível separar aqueles jovens que têm recuperação, daqueles que precisam de uma maior atenção do Estado – e aí sim, determinar que estes últimos, como Champinha, permaneçam em locais de custódia separados dos recuperáveis, pelo tempo que for necessário para que possam retornar à sociedade sem riscos (levando o tempo que for, desde que seja um tratamento sério e rotineiro, não ultrapassando, obviamente, os 30 anos previstos no Código Penal).

http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-56/questoes-juridico-psiquiatricas/os-que-morrem-os-que-vivem

  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • Orkut
ERA
ERA
Related Posts
Showing 77 comments
  • Monica Machado

    Por favor não confunda o limite de 30 anos para penas com o período de internação de um psicopata que pode sim ser até a morte, se ele não apresentar cura. Não é nem de longe prisão perpétua, apenas a constatação clínica de que determinados indivíduos que possuem doença mental serveríssima e até o presente momento incuráveis pela autal medicina, não tem condições físicas e psicologicas de viver sem acompanhamemtp psicologico. No caso expressso de Champinha, ele é um psicopata e o maior prazer da vida dele é matar. Este tipo de prazer contraria o princípio fundamental de respeito a vida dos semelhantes. Não é prisão perpetua apenas precaução médica e dever do estado tutelá-lo durante o desenvolvimento de sua vida. Muitas doenças são incuráveis, poucas causam mais riscos a terceiros do que ao próprio doente A psicopatia é uma destas doenças.

  • Monica Machado

    Um médico-psiquiatra precisa assinar um laudo dizendo que garante profissionalmente que o paciente encontra-se curado ao ponto de conviver em sociedade sem causar riscos aos demais indivíduos. No caso de Champinha dentro da instituição ele tem demonstrado pelo que pude ler, que em nada colaborará para sua própria cura, pelo contrário, vem demonstrando que sua psicopatia é severa ao ponto de abrir mão da dissimulação de ser “bonzinho”, tão perigosa e comum em casos similares ao dele. Logo, seria omissão do Estado dizer que ele está “apto” a conviver com a sociedade, sem que nem o proprio indivíduo se submeta a qualquer regra da internação estando vigiado. A questão aqui é de que a lei deve proteger primeiramente a vida dos indivíduos da sociedade. Estando sob supervisão médica, saudável como pude notar nas fotos, usufruindo de uma vida em que apenas não há a realização do prazer de matar que ele tanto sente falta. Acredito que o Estado está sim cumprindo o seu papel de tutelador de indivíduos incapazes mentalmente. Dizer que em 30 anos ele deverá automaticamente sair, é entar no mérito médico, pois se em 30 anos ele estiver tão doente como agora, significa jogá-lo nas ruas sem o devido cuidado com a vida dele e dos demais membros da sociedade. O Champinha deve sim ser estudado cientificamente, pois há necessidade de conhecer mais profundamente a psicopatia para que um dia quem sabe encontremos a cura que possibilite o retorno destes indivíduos ao convívio social. Apenas não podemos distorcer uma lei feita para individuos que não são portadores de doenças mentais, com o tratamento clínico dos casos considerados clássicos psiquiátricos e em todas as sociedade sem exceção são tratados com todo o rigor. Seria por demais irresponsável se assim não fosse.

  • ERA
    ERA

    Prezada Mônica, o ERA agradece os seus comentários e a possibilidade de uma reflexão mais profunda sobre tema tão importante. Antes de responder especificamente às suas preciosas colocações, gostaríamos de antecipar aqui parte de um futuro post que estávamos preparando e que fala exatamente do “limbo jurídico” que jovens infratores como Champinha acabam entrando.

    “A presidente Dilma sancionou a lei 12594/2012, publicada em 19 de janeiro último, com vacatio de 90 dias, criando o denominado SINASE – Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. O SINASE constitui-se de uma política pública destinada à inclusão do adolescente em conflito com a lei.
    Assim, sob a égide da Constituição de 88, o ECA, e os mais diversos tratados em que o Brasil é signatário (tais quais: Convenção da ONU sobre os Direitos da Criança, Sistema Global e Sistema Interamericano dos Direitos Humanos: Regras Mínimas das Nações Unidas para Administração da Justiça Juvenil – Regras de Beijing –, Regras Mínimas das Nações Unidas para a Proteção dos Jovens Privados de Liberdade), o SINASE prevê o acompanhamento da aplicação da medida sócio-educativa, respeitando os direitos humanos e o devido processo legal.
    A lei 12594/2012, além de instituir o SINASE, também coloca outro ponto que dará azo a muita discussão: a possibilidade de remeter os autos do procedimento da vara da Infância e da Juventude para o Ministério Público, a fim de que este, se necessário, ajuíze ação de interdição do jovem infrator com transtorno mental e com dependência de álcool e de substância psicoativa. Tal possibilidade é extremamente abrangente, trazendo à tona problemáticas que já eram discutidas no caso do Champinha e na criação da UES (já que a manobra que deixava “legal” a situação daqueles jovens foi o MP ter interditado os mesmos para interná-los nestes locais, mesmo após cumprida a medida sócio-educativa).”

    • Juca Bala

      leva ele p/ casa…

  • ERA
    ERA

    Prezada Mônica, segue agora a resposta mais direta às suas colocações, elaborada pela pesquisadora Alexandra Oliveira, autora do post “Prisão perpétua à brasileira”

    “Primeiramente, acho complicado afirmar que o Champinha é psicopata, sem antes conhecer o resultado dos testes específicos para afirmar tal condição, como o PCL-R. Considerando que ele é um individuo certamente de alta periculosidade, concordo que colocá-lo na rua logo após o cumprimento da medida sócio-educativa seria de muito risco para a sociedade, já que há evidentes indicios de sua dissimulação e manipulação, além da violência (que pode ser observada no caso Liana). Diante deste “medo” de retornar este sujeito ao convívio de todos, o Ministério Público de São Paulo passou a agir da forma como explicitada no presente artigo: interditava o sujeito, para obrigá-lo a ficar internado em clínicas psiquiátricas, a fim de receber o tratamento adequado. Apesar de muito controvertida, tal medida foi agora regularizada pelo Congresso Nacional, pela lei 12.591/2012, que previu essa possibilidade de interdição pelo MP, a fim de tratamento do jovem infrator nos casos de transtorno mental, dependência em álcool e de substâncias psicoativas. Portanto, o “limbo jurídico” apontado no post foi aparentemente corrigido pela nova lei.
    A lei restou silente quanto ao prazo de tempo que o jovem deve ficar internado neste tratamento, o que fez bem, já que cada caso é um caso, e deve sempre ter acompanhamento médico competente para saber a evolução da doença ou do transtorno psiquiátrico, as respostas do tratamento, etc. A intenção da lei (tanto esta como o ECA) é sempre proteger o adolescente, para que ele se reabilite e retorne ao convívio social, e não de encarcerá-lo ou jogá-lo em um local sem adequações para sua idade e desenvolvimento. Logo, por conta desta proteção que o legislador deu ao adolescente, é possivel concluir que a ele será aplicado o que for mais benéfico ou no seu melhor interesse. Assim, se o Código Penal prevê pena máxima de cumprimento de 30 anos para criminosos adultos, e o STF já entendeu que o mesmo se aplica nos casos de aplicação de medidas de segurança aos inimputáveis, devendo estes serem tratados nos Hospitais de Custódia e Tratamento, quando decida-se pela internação, por no máximo 30 anos. Com essa lógica, fica evidente que o máximo que os jovens poderão ficar submetidos a um tratamento que envolva interdição e privação de liberdade será de no máximo 30 anos (a não ser, claro, que o tratamento passe a ser ambulatorial, não necessitando a internação, que poderá ser eterno).
    De qualquer forma, Champinha e outros sociopatas não ficarão “presos” eternamente, já que isto feriria a Constituição, no que tange à dignidade da pessoa humana e a proibição de sanção perpétua. É complicado falar do retorno destes sujeitos à sociedade, mas tirar a liberdade deles por tempo perpétuo é impossível em nosso atual sistema jurídico protetivo e não creio que tal hipótese terá a tutela dos tribunais superiores brasileiros. Assim, concordo que o tratamento médico deve ser continuado e prolongado, talvez até eterno, mas creio que, juridicamente falando, seja impossível manter estes jovens privados de liberdade por mais de 30 anos, já que isso fere a lógica Constitucional de vedar a prisão perpétua, além de violar preceitos penais quanto ao tempo limite de cumprimento de pena em reclusão”.

    Mais uma vez, o ERA agradece o seu comentário!

    • Marcos Falconi

      Faz um favor, leve esse assassino pra sua casa e cuide dele já que vc é conivente com o que ele fez.

    • Ana Claudia

      Graças a pessoas como “Era”, que esses psicopatas podem ter uma vida tranquila, eu pediria a pena de morte, que deveria existir no brasil, para sujeitos como o Champinha. Espero que saia da sua “prisão” e seja executado nas ruas, um psicopata desses não deve viver. ponto.

  • Daniel

    Uma pergunta que vale como premissa para o debate: Vocês, por acaso, conhecem Roberto Aparecido? Vocês, por acaso, já acessaram os autos dos processos (socioeducativo e civil) nos quais se produzem laudos sobre sua condição psíquica – considerando que os autos correm em segredo de justiça? Se sim, como foi a experiência? Se não, em que se baseiam para aferir sua condição psíquica e sobre ela debater? Na mídia que não é, certo? Afinal, se este portal sustenta uma postura ética, certamente seu conselho editorial tem uma leitura critica que não sucumbe aos fascínios e seduções da mídia. Neste sentido, qual a fonte e qual a legitimidade da fonte?
    Atenciosamente.
    Daniel.

    • Rachel Nigro
      Rachel Nigro

      Prezado Daniel,
      a autora do post não diz em nenhum momento que o indivíduo que ficou nacionalmente conhecido como “Champinha” é psicopata. Ao contrário, em resposta a uma leitora, afirma que tal dignóstico somente é possível depois de testes rigorosos. Sugiro a leitura das respostas do ERA e da autora Alexandra à leitora que também questionou certas afirmações jurídicas sobre o caso. Tais afirmações foram feitas através da interpretação anterior e atual (perceba que ocorre uma alteração legislativa entre a data da publicação do post e os comentários da leitora) da lei a respeito de internações compulsórias. A questão ética levantada à época continua importante, apesar de não “conhecermos pessoalmente” o senhor Roberto Aparecido, nem possuirmos informações detalhadas a seu respeito. O objetivo do post não foi diagnosticar ninguém, apenas constatar que menores nacionalmente conhecidos (casos notórios não precisam de comprovação) continuam presos após cumprirem o prazo legal de custódia. E que, se eles são realmente perigosos para a sociedade, então devem ser tratados com dignidade e não mantidos em um “limbo” jurídico. Se algum trecho do post e das respostas que se seguiram no debate levou o caro leitor a fazer interpretação diversa da aqui esboçada, solicito que transcreva os trechos para que possamos esclarecer qualquer mal entendido que possa ser interpretado como falta de seriedade e de boa-fé de nossa equipe.
      Cordialmente, Equipe ERA

      • Juca Bala

        Direito dos manos!

        Queria ver se vc tivesse sofrido algo parecido, se estaria aqui dizendo isso…

  • Daniel

    Obrigado pelo retorno, Rachel. De fato, são alguns trechos do próprio texto de Alexandra que me chamam atenção, pois afiançados pela equipe ERA:

    1) “Considerando que ele é um individuo certamente de alta periculosidade”: entendi que seja uma afirmação da autora, e não uma premissa da leitora com a qual a autora lide para argumentar. Como saber de sua periculosidade, considerando que esse é instituto em desuso no campo criminal? Além disso, nem é instituto previsto no processo civil, onde o MP encontrou procedimentos a justificar a interdição de Roberto. E como saber se é de “alta periculosidade”, se apenas a mídia nos informa com seu hábito de produzir violência em cada fato supostamente violento ou de suposta autoria (supostos porque se o estado brasileiro elegeu alguém para condenar e definir a tipicidade foram apenas os profissionais da justiça, e não da mídia)

    2) “já que há evidentes indicios de sua dissimulação e manipulação, além da violência (que pode ser observada no caso Liana)”: quais atos fora evidentes se tudo correu em segredo de justiça? Ademais, como individualizar as condutas e atribuir a tal dissimulação e manipulação a Roberto se havia outros – e adultos – envolvidos?

    3) “Champinha e outros sociopatas “: diagnóstico definido (dentro dos quadros possíveis de sociopatia ou transtornos de conduta) ou interpretação da autora? Se definido o diagnóstico, onde se encontra, senão nos próprios autos?

    4) “É complicado falar do retorno destes sujeitos à sociedade”: por que complicado? É complicado “falar” (debater, discutir)? Ou complicado admitir? E por quê seria complicado admitir, já que não se sabe quais diagnósticos e qual a versão dos fatos?

    5) “concordo que o tratamento médico deve ser continuado e prolongado”: por quê, se não se sabe o diagnóstico? Sem diagnostico, não se tem prognóstico. Ademais, é a própria lei da reforma psiquiátrica que define, no art. 6, a necessidade de laudo médico circunstanciado, de modo que apenas este atesta se é necessário “tratamento médico continuado e prolongado”. A autora acessou o/s laudo/s?

    Sinto se fui rude no outro e-mail. A finalidade foi apenas suscitar dúvidas sobre o próprio hábito que temos – principalmente no campo juridico e nas áreas psis – de definir fatos como se fossem algo mais importantes do que meras especulações ou versões, muitas vezes sem a principal premissa metodológica: a investigação às fontes primárias. Nesse caso, apenas presumo ter sido inviável investigar a partir das fontes primárias – únicas, pois, repito, tudo corre em segredo de justiça. Portanto, resta a pergunta: acessaram as fontes primárias ou não? Se não, pela qualidade que os escritos nesse veículo apresentam, é necessário cuidar para que não caia na mesmice que as midias de modo geral produzem: ouvir o galo cantar e não saber onde. Apenas isso, sem a rudeza que possa ter parecido o outro e-mail.
    Por fim, esse tipo de cuidado é imperioso diante de uma sociedade que se pauta pela mídia de grande audiência, que, por sua vez, reproduz um anseio pulverizado punitivo, uma volúpia persecutória que não mede conseqüências sobre a própria existência e desenvolvimento de seus pares.
    Abraços.

    • Rachel Nigro
      Rachel Nigro

      Obrigada Daniel, uma das reportagens que serviram de base para o post da Alexandra foi:

      http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-56/questoes-juridico-psiquiatricas/os-que-morrem-os-que-vivem

      vale ressaltar que nosso propósito não é apresentar um minuscioso estudo jurídico/psicológico/psicanalítico ou qualquer outro campo de saber/poder sobre determinado assunto. Nosso objetivo é mais modesto: a partir de notícias atuais, propomos suscitar o debate sobre nossa moralidade, sobre os valores que nos movem e sobre a sociedade que queremos construir, sem contudo, oferecer respostas fechadas. Por isso tudo, agradecemos sua participação em nosso site e esperamos revê-lo em breve!

      • Daniel

        Rachel, entendi a proposta. Obrigado pelo retorno e bons trabalhos a vocês.

  • Camila Almeida

    É impressionante a mania brasileira de justificar um erro em outro erro, sempre jogar a culpa em alguém.
    Fico feliz que ele esteja onde está e espero que continue assim por muito tempo.

    A única verdade é que ele matou e tem que pagar por isso. E mais tenho a certeza se ele tivesse feito a barbaridade que fez com alguém da família de alguns de vocês, não pensariam assim.

    • Jhon

      Cara Camila, não concordo com seu ponto de vista, pra dizer a verdade acredito que o Brasileiro tem um péssimo
      Habito de assumir a responsabilidade, mas sempre acaba se eximindo de realmente agir para mudar nossa realidade.
      De qualquer forma se champinha matou e por isso merece ser punido imagine a seguinte situação hipotética: Um Jovem de 16 anos se embriaga pega o carro do pai, atropela e mata um casal na faixa, esse jovem e educado, vem de família boa, ele merece ser preso para sempre também? Se a questão e o homicídio os dois estão no mesmo nível, mas se essa situação hipotética, se torna-se realidade, eu duvido que esse jovem ficaria no mínimo 3 anos preso, e dificilmente este caso repercutiria nacionalmente, (a não ser que que o garoto ou a garota que formam o casal fossem filhos de famosos, ou de classe media alta.
      Minha intenção não é contrariar, criticar, ou defender criminosos, eu apenas quero que as pessoas pensem mais sobre as coisas, e não fiquem apenas nas opiniões midiáticas do tipo (DATENA e Outros).

    • ana lu

      se eu fosse dono da lei ha. esses bandidos como champinhas e outros monte por nosso brasil ha fora,ha teria prisao eterna ate ir conhecer o capeta la bem no fundo do inferno. para mim nao merecem mais ver ha luz do dia,

  • Pérsio Sandir

    O problema é a sensação de impunidade: no Brasil, não existe a pena de morte nem a de prisão perpétua. Assassinos confessos, como o jornalista Pimenta que matou a namorada, raramente ficam presos; o célebre “Champinha” já mostrou à sociedade que é um indivíduo perigoso. Portanto, não vejo problema algum em mantê-lo internado numa instituição preparada para tal finalidade. Afinal de contas, é preciso proteger os cidadãos que respeitam as leis, castigando os que as transgridem; caso contrário, vamos começar a nos perguntar se vale a pena ser honesto.

  • Juan

    Alô Brasil, basta de discursos intelectuais e acadêmicos!
    O cara, além de assassinar barbaramente os jovens Liana e Felipe, condenou suas famílias à prisão perpétua da dor.
    Se as leis não são adequadas para manter essa fera presa para sempre, que se utilizem outros artifícios disponíveis…

  • Bruno

    Daniel meu caro , pq não se identifica?
    o Sr. como advogado deste animal, não deveria ter espaço para falar nada aqui
    o seu cliente está custando mais de 12 mil reais por mês, pq já que tens tanto conhecimento dos autos pq não compartilha aqui , dizendo por exemplo sobre o numero de vezes que a garota foi estuprada, na frente do namorado, que seu cliente fez sexo com o cadaver da mesma, que a mutilou antes de mata-la.
    E Tb se vai se responsabilizar por ele caso seja solto, q fiquem todos cientes q o pedido de liberdade deste ser está nas mãos do ministro Ayres Britto no STF desde abril, e que provavelmente ele será solto.
    Parabéns pela sua dedicação em defender gente deste tipo, deve se sentir muito orgulhoso.

  • Príscila De Fátima Martins

    A verdade que nenhum psiquiatra teve coragem de atestar que Champinha não seja insano ou psicopata… ao contrario do que ocorre nos presídios para criminosos maior de idade, nas chamadas CASAS ou FEBENS existe um rigoroso acompanhamento psiquiátrico dos adolescentes que cometem esse tipo de crime, aqui no meu Estado Paraná por exemplo, no caso Ana Claúdia Caron os menores infratores foram apenas atestados como usuários de drogas e já estão soltos, independendo da reação popular. No casos do Champinha é o contrário ele, segundo algumas entrevistas que venho lendo sobre psiquiatras que falam deste caso não possui condição de viver em sociedade por não ter a noção de certo e errado, recentemente li uma entrevista de uma carcereira da unidade onde ele está em que ela revela que quando o Champinha estava na Febem ele nada falava, depois que passou a viver onde está hoje ele fala abertamente e chega a dar detalhes sobre o crime para quem quiser ouvir… No entanto isso não é nada, lembrando que nenhum psiquiatra assinou o laudo que da ao Champinha o direito de viver em sociedade… isso sim diz muito…

  • Bruno

    Priscila , no caso do Champinha é evidente que está
    preocupação em mante-lo preso é pura e simplesmente por ele ter
    assassinado uma garota rica e judia, se ele tivesse matado alguém da
    mesma condição financeira dele , da mesma maneira como matou Liana
    estaria solto a muito tempo. Não se engane com essa balela de avaliação psiquiatrica
    pois existem casos aqui em Sp de menores que mataram mais de 10 pessoas e jamais
    foi aventada a internação.

    Ele não tem condição de viver socialmente, acredito que não, mas não só ele.
    O caso foi repulsivo,foi , as barbaridades que ele fez com o casal (foi bem pior do que a mídia divulgou), dizem claramente do que ele é capaz, não aceite informações da mídia fascista nem de defensores de bandidos.

    Resumindo : que ele fique preso eternamente, mas não só ele e sim todos que como ele
    não tem a minima condição de viver socialmente.

  • Patty Kirsche

    Não, o Champinha não pode ser reintegrado jamais. Ele é psicopata e misógino. Se ele sair, ele cometerá crimes igualmente horríveis novamente. Ele adora contar sobre o crime com detalhes sórdidos, principalmente perto de mulheres. Na minha humilde opinião, no caso dele se aplica a pena capital. Porque não tem recuperação e vive às custas do estado. Mas é um caso bastante extremo, de muita violência.

  • Luciano

    Engraçado, quer dizer que, após 30 anos, como por milagre o nosso psicopata irrecuperável, está pronto para ser restituído à sociedade sem oferecer riscos a ninguém. Pena e internação são coisas totalmente diferente, a primeira, por uma conveniência instaurada há várias décadas, onde a média de vida era outra, conveniou-se a manter encarcerado o réu no máximo 30 anos, independente da gravidade e do tamanho da pena; isto, num país que a expectativa de vida era praticamente 20 anos maior do que a de hoje, mas, voltando ao assunto em pauta, tratamento psiquiátrico não tem período para acabar, e, em alguns casos nunca se acaba, devendo o paciente ficar isolado e longe do contato com a sociedade.

  • Isis Carvalho

    E incrível a grande preocupação com bem estar e o seguro dos direitos humanos de delinquentes e bandidos. Pergunto: onde estão os direitos humanos das vítimas e seus familiares? Última colocação : bem fácil aos que fazem essas leis brandas e aos q defendem esses criminosos quando os delitos não foram contra irmãos, filhos, cônjuges……

  • Washington

    A verdade é bastante simples, nosso sistema prisional é falho e as chances de recuperação de alguém que entra no sistema são quase nulas. Então, deveriamos cobrar de nossos governantes o fim de falácias como a “progressão de pena” e a “inimputabilidade penal absoluta”, sejamos realistas, ou são “eles” ou somos “nós” e se para sermos nós for preciso jogar as chaves das celas fora, que seja. Particularmente, não ligo a mínima se o “champinha” vai consumir parte dos recursos de impostos que pagamos com sua estadia em uma unidade especial e nem que ele esteja lá por uma manobra do MPSP, se esse é o preço pela paz de espírito das pessoas de bem, vamos pagar.

    • Cláudio

      E, diga-se de passagem: parabéns ao MP/SP pela solução jurídica encontrada para manter esse demônio fora de circulação! Enquanto formos um país de palhaços, em que nada é sério e tudo é permitido, precisamos da criatividade de pessoas assim para que alguma coisa funcione. Parabéns ao MP.

  • Guilherme de Souza

    “não ultrapassando, obviamente, os 30 anos previstos no Código Penal)”? Mas quem garante que o indivíduo estará curado em 30 anos?

  • Marcus Vinicus

    Diminuição da idade penal é para ontem, e penas acima de 30 anos uma realidade pra já…Se fosse a minha filha esse Merda não viveria nem 5 minutos na rua, resumindo, LEI DE TALIÃO nesse @¨@%@$%@$…acorda zé povinho. Esse lenga lenga atrasa o país!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Marcus Vinicus

    E pra vc que disse que é só por ser uma rica, judia, e se fosse a sua MÃE, heinnnnnnn, sem comentários.

  • Bruno

    Meu caro Marcus, sinto muito se não entendeu o que eu quis dizer
    Ele está internado pq matou uma garota rica e judia sim.
    Se tivesse matado minha irmã, ele estaria na rua faz tempo, isso se tivesse sido preso,
    vai tentar estudar um pouco esse caso pra ver como ele foi solucionado.
    Já viu alguém da imprensa ir atrás dos Caffé?

    Não venha aqui tentar dizer q eu defendo esse lixo
    queria q ele estivesse morto por tortura de preferencia;

    Embora o crime tenha sido o mais nojento de que tive noticia,
    se ele tivesse matado uma moça pobre ele estaria na rua
    pq essa historia nem teria chegado a nossos ouvidos.

    • Eduardo Brito

      Tá defendendo sim, óbvio que está defendendo…torça para não encontrá-lo nas matas de Embu-Guaçu…

    • Amaury Bratz

      Bruno, brilhante comentário. Parabéns

  • Eduardo Brito

    No caso do psicopata ‘Champinha’ eu tenho duas soluções bem simples e rápidas que acabariam de vez com este problema:

    1a solução: um tiro de espigarda calibre 12 na cara.

    2a solução: ser ‘guilhotinado’ na Praça da República ao meio-dia com toda a população presente e aplaudindo.

    Pronto, caso encerrado.

    Assinado: cidadão comum que não quer ver seu filho levando tiro na nuca, sua filha sendo estuprada 72 horas seguidas por 5 bandidões e depois receber mais de 20 facadas pelo corpo.

    Obrigado.

  • Bruno

    Caro colega sua dificuldade de interpretação é tocante.

    Me diga se já viu algum pobre desaparecer e ganhar matéria no Estadão e Globo.
    O interesse da midia em tornar esse caso em homicidio simples em vez de um duplo está esfregado na cara de todos desde aconteceu, semana passada um programa do canal A&E sobre o caso , ouviu apenas Ari Friedenbach, os Caffé sequer foram ouvidos quanto ao uso da imagem de Felipe, alias esse tal programa q fala sobre os crimes mais famosos do País, tinha um nome de episodio bem singelo, Caso Liana Friedenbach, depois q eu, a mãe do Felipe e mais alguns amigos da familia mandamos emails bem educados pra lá, o nome do episodio mudou pra Liana e Felipe, segundo a produtora foi um erro, entrem na pagina do Investigação Criminal no facebook e desçam até o começo da pagina pra ver o pequeno erro.

    Logo poderei expor mais os bastidores desse caso, para mostrar como algumas coisas realmente aconteceram.

    Uma pergunta que nunca calou pra mim foi, que teria acontecido a Felipe Caffé se ele tivesse o azar de ter sobrevivido?

    E a vc e outros continuem engolindo o que a Globo lhes diz, Vcs é um brasileiros perfeitos.

    • Bruno

      ops errei a ultima linha, Vcs são brasileiros perfeitos. Ia direcionar a frase pro colega com dificuldade de leitura só, sorry.

  • Bruno

    Bom vou deixar o depoimento de Guido Palomba sobre isso tudo , depoimento esse dado a um programa de Tv

    O caso de Champinha é criminal e ele está interditado por meio Civil, foi feito uma gambiarra
    Juridica, ele ainda enfatizou nessa parte “com todo respeito”, gambiarra NESCESSARIA!!!!! pq se ele voltar as ruas ou ele mata ou ele morre, pq ele será rejeitado , hostilizado.

    O mais importante nisso tudo é que ele já era criminoso antes, assim como ele o tal do Pernambuco e os outros 3 tb, vagabundos que nós toleramos , até que façam algo como o que fizeram.

    Ano que vem vou publicar um trabalho sobre esse caso, é dificil explicar aqui, pq foi uma série de fatores que levou a esse desfecho trágico, muitos dos quais acontecem em baixo do nosso nariz sem que nada façamos.

  • Priscila Nascimento

    Bom dia a todos!
    Estava passando quando o assunto claro “Champinha” me chamou atenção!

    É evidente que estamos vivendo outros tempos, as crianças já não brincam mais nas ruas…
    A internet ocupa um grande espaço de tempo entre os familiares…
    Falta amor, respeito, entre outras coisas

    O que eu gostaria de dizer na verdade, é que embora sejam vários pontos de vistas
    Acredito que em uma coisa todos concordam

    Este rapaz cometeu o crime.
    Okay!

    De coração, não interessa saber se o espaço para este crime foi dado por ele ter matado uma menina rica, o que importa é que com este espaço pode-se criar a UES, algo que ao meu ver é muito interessante não apenas para punir pessoas como este rapaz, mas tentar de fato uma recuperação a quem possa.

    Casos de ricos ou pobres são cabe em argumentos de crimes como este.
    O que importa realmente são as medidas tomadas, e o que a sociedade conseguiu com seu clamor e claro a indignação e luta de um pai foi evitar que filhos de pobres, ricos, pele assim ou assada não corram riscos de que este rapaz esteja nas ruas, sem capacidade mental para tal.

    Devemos primeiramente perceber o que de bom é feito em uma tragédia e não porque é feito.

    No Brasil, sempre algo trágico tem que acontecer para que outros não aconteçam…

    O que de lamentável tem de fato aqui, é que pessoas ainda se preocupam com o fato de ter sido em cima de pessoas A ou B’s, isso não é nada relevante!
    Relevante é o que aconteceu depois disso.

  • Bruno

    Ultima vez que posto nesse tópico já me cansou.

    1- Liana e Flipe foram brutalmente agredidos fisica e psicologicamente.PONTO
    2- Seus assassinos deveriam ter sido executados.PONTO

    3 – Raciocinando minimamente se observa como o caso de Champinha funciona:
    Ele nada deve a Justiça, e inventaram essa Unidade de Saude para coloca-lo a fim de justificar a pressão da midia e da comunidade a qual uma de suas vitimas pertencia. Pressão social que eu me lembre nunca aconteceu.
    Que eu saiba a lei no país é uma só, pq os assassinos de Ana claudia Caron e Jessica Piccolo já estão nas ruas?
    Tb foram mortas e estupradas por menores de idade qual a diferença?

    Quando acontece casos assim a Policia , a justiça e o Estado tentam demonstrar uma eficiência que não tem.
    Problema de quem abraça a idéia.
    Parabéns pra vcs que acham que alguém que fica o dia inteiro jogando futebol e videogame e come 5 vezes por dia está sendo punido.
    Além de ser o primeiro menor irrecuperavel de SP e ter sido aposentado com regalias aos 21 anos sem nunca ter feito nada de util.E ter custado até hoje cerca de 1 milhão de reais fora o valor para levantar a tal unidade de saúde pro boneco ficar.
    Champinha tem feitos fantasticos não acham?
    Cada vez dá mais orgulho de fazer parte desse país e das pessoas que nele habitam.
    E fiquem tranquilos pq caso sofram algum tipo de violência, o autor será punido exemplarmente, ficará o dia todo sem fazer nada sendo sustentado por vcs. Isso se forem presos , alias serão né, todos segundo vcs são tratados igualmente pelo Estado.
    Sem Mais .

  • Silvana

    É impressionante aparecerem pessoas para defenderem o Champinha! Tenho verdadeiro asco de advogados e este particularmente esta apenas tentando ganhar notoriedade com o caso, me poupe dessa conversa de estar protegendo os interesses de Champinha! Ele és psicopata sim, não terá cura e3m lugar nenhum, você quer suja lo para ele matar de novo?

  • Justiceiro

    Simples, quem defende uma escumalha como esse Champinha e seus comparsas, monte um barraco e coloque sua mulher pra morar com ele.

    Não sou ligado a jurisprudencia, não sou advogado graças a Deus……….mas o sujeito formou quadrilha, sequestrou, torturou as vitimas, estuprou, matou a moça com requintes de crueldade, escondeu as armas, escondeu os cadaveres…… quantos anos de pena somados todos crimes? o que seria de um cara desses em um país sério como os EUA?

    Acho que ele e os outros nunca mostraram arrependimento.

    Ainda aparecem alguns ai pra defender essa quadrilha e seu mentor.

  • Bruno

    Caro Justiceiro algumas coisas

    não ia postar mais aki mas vamos lá

    1- Nenhum deles demonstrou arrependimento, e além disso o vulgo Pernambuco ou Rei do gado(essa alcunha ridicula consta nas acusações do processo acreditem ou não), já tentou inumeros habeas Corpus , revisões, progressões de pena,etc.
    Segundo uma de suas progressões negadas ele terá direito a semi aberto em 2022.
    o Sr Agnaldo Pires teve sua progressão negada em maio deste ano.
    O Sr. Antonio Mathias de Barros, terminado o julgamento, já começou regime semi aberto e hj está livre.
    O Champinha tem tratamento odontologico,médico, além de toda regalia q um adolescente sonha, video game e futebol todos os dias sem qualquer tipo de preocupação.
    Além de já ter saído da unidade de Saúde, devidamente escoltado mas não descobri a que pretexto.
    E continuam achando q ele está sendo punido.
    O unico que cumpre sua pena sem tentar artimanhas é o Antonio Caitano da silva.

    E antes que algum defensor de marginais me condene por tais informações, elas constam tanto no Diario oficial do estado como em consultas publicas no Site do TJ/SP.
    Sobre o processo que correu escondido pra beneficiar o pobre Champinha falaremos um dia.
    Aguardem…

  • Marcos

    Vamos fazer uma campanha para que o Champinha ganhe a liberdade. Ele já pagou pelo seu erro perante a sociedade como prevê o Estatuto da Criança e do Adolecente. Ele já cumpriu sua pena máxima de três anos de caráter socio-educativo, pois afinal, o que ele cometeu não foi nenhum crime, mas sim, um simples ato infracional. Acho uma violação ao seu direito fundamental de liberdade……. Gente, se nós queremos ver justiça, o bom não é ele preso; o bom é ele solto – se é que vocês me entendem…

  • Albo

    Afff.. aprendam: bandido bom, é bandido morto.

  • Marco

    Importante que, seja quem determinar a soltura do Champinha assuma a responsabilidade, seja juiz, promotor, psiquiatra ou assistente social. A sociedade está cansada de ver criminosos perigosíssimos serem soltos e depois ninguém assumir a culpa pelas barbaridades que voltarem a cometer. O profissional deve se responsabilizar pelo laudo que elabora, assim como o juiz quando determina a soltura.

  • marcos vincius

    Impressionante a contestação e a alegação de ele não pode ser um psicopata, os autos do processo e do laudo pericial confirmam isto inequivocamente esta condição. ele nao demonstra qualquer empatia a outro ser humano, palavras dele _ “matei por que tive vontade”. quanto desconhecimento por parte da ERA. deve-se sim, para estes casos o encarceramento até a morte do infrator, como no nosso caso não há pena de morte. Lembro aos senhores que até bandido tem ética, e quando um do grupo protege seu comparsa na lei do silêncio estão agindo com ética criminosa, o que não necessariamente é bom para sociedade. a ética do bandido, a soma das morais individuais de um grupo de criminosos é diferente da ética da vitima. pelo matéria apresentada, a reflexão e a tese proposta se enquadram mais a ética criminosa do que a socialmente aceitável, o será que ele estará apto a viver no âmbito do coletivo social? pope-me desta dialética medíocre da contestação do improvável como elemento de marketing filosófico. O estatuto da criança e adolescente é um instrumento de proteção a vida daqueles imputáveis de ação em defesa própria, neste caso, a garota estuprada sucessivamente e morta. O “senhor champinha” era e é um criminoso, psicopata, e que se apoiará neste tipo de argumentação em sua defesa para ganhar, no esquecimento da sociedade, a tao sonhada liberdade.

  • sandra

    não importa o poder aquisitivo de quem ele matou ou estuprou, isso não faz dele menos assassino e menos psicopata, ele precisa morrer, e todos assassinos e estupradores merecem morrer, a sociedade não pode ficar gastando dinheiro para suspentar lixo, vamos manter a cidade limpa, e matar todos os bandidos :) existem dois tipos de gente no mundo, os seres humanos e os monstros, lugar de monstro é embaixo da terra, porque eles não tem utilidade nenhuma vivo, mas mortos eles podem fertilizar o solo kkkkkkkk :) mudar as leis para pena de morte é uma necessidade no Brasil ♥

  • Maat Asued

    Fala sério! Limite de 30 anos?! Para psicopatas?! Até hoje, essa história me choca. O pior disso tudo é que ainda tem gente nesse Brasil-cão que acha um absurdo todo esse desenrolar por conta de que a Liana era de família de posses: “Coitado do Champinha… Se fosse menina pobre, já teriam esquecido essa história”.
    Que país é esse que culpa gente que trabalha por ser assaltada? Que país é esse que culpa mulheres bonitas por serem estupradas? Que país é essa que entende que 30 anos é o suficiente para recuperar um psicopata cretino que mata por prazer?
    Nossa legislação penal é baseada em princípios de humanidade, dignidade, recuperação, blá, blá, blá… História da carochinha. O sistema não funciona. O fato é que aqueles que ainda poderiam ser recuperados (furto; estelionato etc…) são condenados com rigor e aqueles que nunca poderiam ser recuperados, são privilegiados por uma legislação utópica, cínica e paliativa.
    Força, Dr. Ari! Há pessoas que escutam o que o senhor fala.
    Deus olhe por nós!!!
    O Brasil está perdido!!!

  • Bruno

    Segundo a Folha de São Paulo, o ministerio publico pediu
    para fecharem a tal Unidade de Saúde, pq não existe legislação
    para manter os que lá estão. O que era claro desde o principio.
    É até engraçado as soluções que nossas autoridades dão a pressão da mídia,
    uma mais ridicula que a outra.
    Semanas atrás outro classe média alta foi morto covardemente, e nosso
    prezado governador apareceu pra repetir o disco da época das mortes de Liana e Felipe,
    que ia pedir endurecimento do ECA, e de novo a mídia abraçou a idéia.
    Engraçado tb que a 2 anos atrás uma atendente de farmacia , migrante do Nordeste
    foi covardemente assassinada em Guarulhos,tb por um menor,
    tb diante das cameras de vigilancia,
    não lembro de fazerem tanto alarde , quanto na morte de Victor Deppman.

    Agora que Champinha vai provavelmente sair, volta-se o alarde
    sobre sua periculosidade.Legislação nova sobre menores como ele?
    Não houve tempo,só de se manter presos os 6 mais perigosos menores do Brasil ,
    os mesmos 6 desde a abertura da Unidade de Saude, Champinha,
    2 condenados por estupro seguido de morte, 2 por latrocinio e mais um
    por homicidio, e desde 2007 mais nenhum menor foi considerado perigoso.
    Quantos latrocinios aconteceram de 2007 até agora, pq será que esses 2 foram eleitos para serem internados na Unidade de saúde?
    A tal Unidade tem capacidade para 40 internos, pq só 6?

    Reitero mais uma vez que por mim que Champinha morra la dentro,
    o que me incomoda muito, é pq as coisas só funcionam sob pressão
    da mídia, que sempre deixou claro o valor de cada um de nós.

    • ERA
      ERA

      Bruno, compreensivel a sua indignacao. O tratamento deveria ser igual para todos da mesma categoria. Uma pena que a grande midia nao consiga promover um debate proveitoso sobre o assunto. Obrigada pelo comentario!

      • Juca Bala

        matou, tem que morrer!

  • Luiz

    Bruno e Champinha, não sei quem é mais doente … povo louco, ave maria !!

    • Jardel Jacomini

      Todos nós somos culpados !!!

      Champinha não teve chances diante da sociedade também. mesmo antes do crime.
      Chegaram a ver onde o cara foi criado ? Como foi criado ?
      Não o estou defendendo . Nada disso é desculpa.
      Espero que ele sofra muito e queime no inferno o desgraçado.

      Mas digo que a culpa é nossa não só por isso.
      O casal foi acampar escondido dos pais porque (isso ninguém divulga na mídia) o pai reprovava o relacionamento por que o rapaz era digamos “financeiramente” inferior.
      Em entrevista o pai de Liana diz:

      “Indepedente de fatores, de diferências sociais” pra mim eles não iam se casar? eu não estava nem aí com isso . . .
      . . . as vezes em que o vi em casa (o Felipe) o tratei bem mas. . . (um “mas” um pouco longo, daqueles de desprezo mesmo sabe) nós nunca chegamos a conversar, eu não cheguei a ter conversa com ele.”
      Veja no video abaixo.
      http://youtu.be/ZjtH0dabp9s?t=18m50s

      Ou seja, o Rapaz não servia.

      Por isso foram acampar escondidos.

      Minha reflexão:

      Foram acampar escondido porque o o rapaz não tinha condições financeiras suficiente para atrair o afeto dos pais da garota.

      Champinha (que nesse ponto de vista financeiro) estava em escala mais baixa ainda fez exatamente o que a sociedade o ensinou.Pegou para sí algo que nunca teria nessa vida: Uma garota prendada, bonita, inteligente . . .

      Se o fator financeiro não fosse esse grande divisor de águas, talvez eles ainda estivessem por aqui.

      Respeito a dor do pai de Liana. Eu mesmo não suportaria. Mas se ele estivesse ficado do lado da filha, ela não precisaria “fugir”.

      O Champinha é um monstro ? Sim é um o desgraçado o é. Mas nós fizemos parte da criação desse monstro também quando vemos crianças nas rua pedindo dinheiro ou se prostituindo e não fazemos nada. Quando vemos um rapaz com nossas filhas e acreditamos que não seja adequado por não vir de uma família promissora.

      Quantos Champinhas estão sendo “criados” nesse exato momento por políticos que destroem nossa economia e mantém os mais pobres cada vez mais distantes de uma vida digna.

      Mas veja pelo lado bom. Não são nossos filhos mesmo não é mesmo.
      Os nossos estão quentinho dormindo no quarto.

      HIPOCRISIA HUMANA

  • Patrícia

    Não sei o que é mais revoltante advogados de monstros querendo ganhar notoriedade com o caso ou o próprio caso em si.
    Nossa… Grande relevância se a menina era rica ou não, Pelo Amor de Deus, espero que um absurdo destes nunca venha a ocorrer com algum ente familiar de pessoas que são capazes de achar desculpas para tamanha barbariedade.

  • Bruno

    Caro Luiz e os outros que parecem ter dificuldade com a leitura, colocar em topicos quem sabe vocês consigam entender.

    1- No meu ultimo post, não estou criticando o fato de se fazer alarde em torno da
    soltura do Champinha e sim, o fato de que desde que ele foi preso ,
    não se mudou uma linha da lei,ele deveria pegar prisão perpetua, pena de morte, sim, mas isso não existe em nossa legislação. e a tal Unidade de Saúde é totalmente ilegal, não nos esqueçamos que Champinha ficou lá um bom tempo sozinho, então não entendo o alarde, cobrar quem precisa ser cobrado ninguém foi, pesquisem o valor recebido nos ultimos 10 anos pelos canais de TV em forma de propaganda federal e estadual.

    2- Questiono também o fato de pq só 6 estão internados lá , se existe capacidade para 40,
    quais os critérios? Se essa porcaria de Unidade não for fechada, alguma chance desse menor que matou uma dentista a queimando viva ir para lá?

    3- O caso Champinha em si , vc tem que separar em duas partes, o crime e a repercussão
    Sobre o crime, todos os criminosos foram punidos rigorosamente,
    parabéns para nossa justiça, e quem dera funcionasse sempre assim.
    Sobre a repercussão do mesmo, vou morrer com essa opinião, se fossem 2 pobres , isso nem teria chegado ao nosso conhecimento. Quem quiser se iludir ao contrario, fique a vontade.
    Para justificar esse meu comentário, quem teve a chance de ver o domingo espetacular, no ultimo domingo dia 28/04, foi muito engraçado tentarem empurrar culpa ao Felipe Caffé, dizendo que ele usava drogas com o Champinha e em relação a Liana, colocar um video de um delegado dizendo que ela tinha passado na Fuvest, sendo que a prova da fuvest naquele ano foi realizada no dia 30 de novembro quando infelizmente ela não estava mais viva, pergunta que eu faço é a troco de que?
    Quem quiser ver : http://noticias.r7.com/videos/dez-anos-depois-autoridades-nao-sabem-o-que-fazer-com-champinha/idmedia/517dc32e0cf26a52f575ff01.html

    Entenderam que meu problema é com a mídia ou não?
    Para mim tanto importa se a vitima é rica , pobre , azul , verde, roxa , não importa
    Sò queria viver em um país e numa sociedade em que todos fossem tratados como iguais, o que aqui jamais vai acontecer.

    • Bruno

      Segue o pedaço do codigo Civil em relação a interdição :
      http://www.dji.com.br/codigos/2002_lei_010406_cc/010406_2002_cc_1767_a_1778.htm

      Essa interdição do Champinha foi tipo ter uma infiltração em uma parede, e alem de consertar o vazamento, simplesmente pintaram, para iludir inocentes.
      O crime foi o mais grave do Brasil, foi, pelo menos que eu tenha conhecimento,
      mas não me iludo com a eficiencia do Estado e da justiça.
      Liana e Felipe morreram e tivemos a chance de mudar a legislação para menores,
      não mudamos , então seria bom termos a consciência de que maquiagens não adiantam de nada.

  • Ana Claudia

    Lendo bem os comentários do Bruno, devo concordar com ele. Realmente no Brasil os menores condenados a “prisão perpetua”, só mataram ricos e pessoas em vista da mídia. As centenas de menores que continuam matando adoidado nas ruas, não são considerados perigosos a tal ponto para merecerem a prisão do Champinha…

  • Bruno

    Ana Claudia e aos demais também

    1) Me expressei de forma equivocada e em termos pejorativos em algumas postagens, acredito que me excedi sim, mas fiquei e fico muito irritado com a manipulação a que as pessoas são submetidas e abraçam totalmente a idéia.
    Me bastaria propor uma unica questão para analise das pessoas.
    Quando eu deito para dormir me sinto em segurança total por Champinha estar preso?
    Eu não me sinto nem um pouco, porque muitos menores estão nas ruas com a mesma periculosidade dele, e caso me façam algo ,nada vai lhes acontecer.

    2- É um fato cujo não cabe nenhuma argumentação contraria : de 2007 para cá nenhum menor interno foi para essa instituição de saude. A violencia explodiu nesse país faz tempo, e em São Paulo em 6 anos nenhum interno da Febem é perigoso a sociedade???
    Soma-se a isso o fato de nenhum estado da federação quis implantar uma semelhante, por ela ser ilegal.
    A Priscila que postou aqui já tambem e é do Paraná pode confirmar isso, já que os assassinos de Jessica Picolo e Ana Claudia Caron estão na rua faz tempo.
    E mais uma o processo de interdição civil do Champinha é separado do outro, ele já era maior de idade, se fosse o caso de um “manicômio” por assim dizer, que fosse em um para maiores, não inventar essa Unidade de Saude como se tivesse inventado a lampada, a mídia fez uma festa tocante, quando deram essa solução pro caso Friedenbach/Caffé.

    3- As pessoas nesse tópico confundem vontade com legislação.
    O adequado para mim seria que Champinha,Pernambuco e Agnaldo Pires fossem condenados a morte, mas isso não existe na nossa legislação. Então cobrem seus politicos e parem de achar soluções porcas como dessa instituição de Saude algo genial.

    4- O advogado do Champinha, Daniel que postou no começo do topico, está correto em algumas coisas que disse, apesar de ser condenavel a meu ver que defenda tão ferrenhamente pessoas como seu cliente.
    No que ele está correto , Champinha tem problemas mentais, não podemos esperar comportamento racional dele, lembro aos leitores desse tópico que até 2022 todos os maiores envolvidos estarão livres, inclusive o maior responsavel por esse crime ,o tal Pernambuco.
    E também concordo que a mídia elegeu Champinha o maior demonio existente nesse país, unico topico que parece interessante ao nossos conglomerados de manipulação, que inventaram noticias e fizeram o diabo quando a data de soltura do Champinha estava para acontecer em 2007. Exemplo para quem tem curiosidade,leiam “Champinha o retrato do mal” do jornal da tarde, disponivel no google. Mentira da primeira a ultima linha.

    5- Peço um pouco de paciência aos leitores desse topico, tanto por erros de expressão que cometi aqui, quanto a minha promessa de tirar esse caso a limpo. Falta bem pouco e logo saberão como começou, aconteceu e terminou esse caso. A motivação real desse crime, o fato que levou a seu triste desfecho, os custos da internação do Champinha, e a falsa sensação de justiça que ficou. Gostaria de expor tudo isso aqui, mas como disse o Daniel, está em segredo de justiça (por exigencia dele, o que eu não entendo, já que ele acha seu cliente um santo). Estou aguardando respaldo judicial para expor os fatos.

    • Fabio

      Gostaria de saber os fatos reais…..

    • Brenda

      Li todos os comentários e concordo totalmente com o seu ponto de vista, Bruno. Confesso que no decorrer desses dez anos nunca havia parado pra pensar sob estes aspectos… Mas hoje, tenho uma visão completamente diferente do nosso país e seus meios midiáticos. Nos deixamos levar pela onda, tantos casos cruéis continuam a acontecer dia e noite e não tem a mesma repercussão. Ao meu ver, o destaque só vai para os crimes que ocorrem com famílias nobres/com status e dependendo da região geográfica também (ou seja, Sul e Sudeste), ou vc se lembra de alguma caso do Norte/Nordeste que tenha repercutido tanto? Eu não me recordo e sei de MUITOS crimes iguais ou até mesmo pior do que o deste jovem casal, que nem sequer saiu no jornal. Não estou banalizando o caso pois até hoje me comovo com o destino trágico dos dois, ambos sofreram muito, dói pensar na agonia deles e no inferno que esses doentes (Champinha e cia) lhe causaram naqueles dias, o vazio hoje das famílias que sobrevivem com essa perda irreparável..
      Acredito que tudo deve ser mudado no nosso país, TUDO mesmo! A Constituição, o Código Penal, o ECA, a estrutura dos sistemas prisionais, por que só a partir dessas mudanças é que deve se falar da redução da maioridade penal, que ao meu ver não deve ser reduzida pra 16 anos (não vai adiantar nada, sempre vai ter um de 15 anos que vai praticar algum crime e vai continuar solto) ao meu ver todos, independentemente da idade deve responder por seus atos. Enfim, gostaria muito de ter acesso a este trabalho seu e descobrir mais detalhes deste crime (já que ninguém divulga nada a mais do que os fatos principais) se puder compartilhe conosco.. Agradeço desde já!

    • William

      Bruno, você tem acesso aos autos desse caso? Achei bem interessante as suas observações, mas fiquei curioso sobre os detalhes a mais que você sabe. Na época do crime, li em alguns lugares que houve várias falhas da polícia e que as datas das mortes não são as mesmas que foram divulgadas pela impressa. Não sei se foram meros boatos ou se é a verdade, nunca dá pra saber e quanto a tortura da Liana, teve mais coisas sórdidas além do que foi divulgado? (de mutilação à introdução de objetos nela). Saiu tantas conversas naquele tempo que até hoje paro pensar e não dá pra acreditar que isso tudo realmente aconteceu, sério cara, tenho nem palavra pra descrever tanta maldade e do que um psicopata é capaz de fazer.

  • Fabio

    Alexandra Oliveira, leve o champinha para sua casa e tome conta dele!

  • elias tito

    Brasil país da hipocrisia onde governantes fazem o q bem querem c o dinheiro público e assassinos, ladrões e psicopatas recebem tratamento melhor por parte da justiça que o cidadão comum e trabalhador. Deixemos d vez toda esta baboseira de direitos humanos para bandidos pois quem deve ter direitos humanos são os humanos direitos que pagam seus impostos a duras penas num país q tem a maior carga tributária do mundo e quase nunca tem seus direitos preservados ou defendidos pelas mesmas autoridades que discutem se é ético ou não a diminuição da maioridade penal. BANDIDOS COMO ESSE CHAMPINHA devem ser colocados numa prisão , seja aonde for, e jogada a chave fora para que nunca mais tenham a menor chance de repetir o sofrimento que causaram a estas familias enlutadas e destroçadas pela bestialidade de suas ações.

  • Bruno

    1- lamentavel a reportagem do Fantastico sobre a estadia de luxo, bancada por nós , idiotas, para o individuo tema deste tópico, não tiveram coragem de chamar uma autoridade, se é que existe isso no Brasil pra questionar que após 10 anos , não se mudou uma linha de nada.

    2- o que vão fazer com Champinha, estou esperando pra ver, de informação, tenho que o fim da instituição de saude é questão de tempo e irremediavel. Poderiam manda-lo pra um hospital psiquiatrico , como o do atirador do Shopping, Mateus da Costa Meira. Pois reitero que os processos correm em separado e nada justifica essa instituição ,invenção do governador Serra pra mídia bater palma e lá se vai dinheiro publico.

    3- Caro Fabio e demais leitores do tópico, esse caso será devidamente exposto até fevereiro do ano que vem no maximo,as proibições acabaram, aguardem!

  • Bruno

    William, saber eu sei de muita coisa, poder compartilhar não posso, inflelizmente.
    No que eu estou desenvolvendo você e os demais terão todo acesso possivel e legal a essas informações.
    O que aconteceu nesse caso mais ou menos foi o seguinte, fazendo uma analogia aqui;
    O caso aconteceu como uma folha de sulfite branca, existem evidencias claras , documentadas que a folha era branca.
    Mas a policia resolveu maquiar para ela ficar azul. E chegou até nós azul.
    Não fiz nada de espetacular porque boa parte das informações constam do processo e é inacreditavel que dessem voz aos criminosos tendo o material todo na mão.
    Faltam alguns laudos, que estão dificeis mesmo de conseguir, mas assim que possivel eles estarão comigo e finalmente eu finalizarei esse trabalho.
    Tenho, videos (entrevistas, reconstituição), laudos e mais algumas informações que só quem esteve diretamente envolvido tem, tipo bastidores das buscas e o desenrolar do caso naqueles dias. Tem mais de 20 coisas erradas, que não se limitam só as datas das mortes que sim ,estão totalmente equivocadas.
    Assim que toda documentação estiver pronta eu divulgo aqui , se o ERA, autorizar, como vocês poderão matar suas curiosidades. Alias agradeço a eles esse tópico, porque pra mim valeu muito pra ter um termometro da opinião de outras pessoas.

    Nos falamos em breve e obrigado ERA.

  • Bruno

    Outra informação que esqueci de postar
    o Agnaldo Pires estava em regime semi aberto desde setembro de 2012
    e esta em regime aberto desde maio de 2013, o Ministério Publico recorreu e perdeu.
    Lembrando que o Agnaldo estuprou a Liana varias vezes , mas para nossa justiça 9 anos foram suficientes.

    Me faltam dois laudos (toxicologicos e o da autopsia) e tudo estará terminado, só espero a liberação dos mesmos,todos acusados recorreram e cada hora esse processo vai pra um canto, o que me atrasa a mais de um ano para expor tudo isso. Mas creio que a hora está chegando.
    William te deixo duas informações por enquanto aqui, uma , foi bem pior do que vcs sabem,
    segunda, os dois poderiam ter sido encontrados com vida.
    Tem mais de 20 pontos que estou refutando no site. Fica complicado expor aqui, pq é muita coisa, peço paciencia apesar da minha mesmo já estar se esgotando.

  • William

    Poxa Bruno, muito legal isso que você tá fazendo. O crime foi pior ainda do que divulgado? Nossa, eu simplesmente não consigo imaginar o que seja pior do que tudo aquilo que foi noticiado. Agora o que eu não entendo é por que o pai da Liana (que era advogado e hoje político) nunca veio a público falar essas verdades. Se fosse a minha filha, eu seria o primeiro a querer que todos soubessem do que realmente aconteceu, dos erros das autoridades e ainda apoiaria a família do Felipe, algo que eu acho que nunca houve entre as duas famílias… Mas enfim cara, parabéns por sua iniciativa! creio que realmente deve ter esgotado a paciência.

  • marcelo

    o champinha e uma prova viva da hipocrisia brasileira. só tá preso por causa da imprensa . e as milhares de familias q tiveram parentes mortos brutalmente na mão de menores. e não da em nada. se o champinha tivesse matado uma menina da favela afro. talvez não teria passado nem pela pousada do menor kkkk. me engana brasil.

  • Bruno

    Continuo esperando a eficiência do nosso judiciario
    Processo parado na 2ª instancia desde 20/10/2009.
    Na ultima vez que me dei ao incomodo de ir a Embu atrás dele, constava que
    estava no TJ por recurso do Agnaldo Pires que esta na rua a quase um ano.
    Enfim em consenso com os demais envolvidos nesse “projeto” , achamos melhor esperar,
    não quero jogar palavras ao vento como o Investigação Criminal e algumas outras infelizes reportagens sobre esse caso.

    William, acredito que já leu a matéria da revista Piaui, “os que morrem , os que vivem”,
    dá raiva de ler, mas ali está tudo muito leve.
    No investigação Criminal creio que todos notaram que o legista falou apenas do Felipe, apesar de ter gravado um longo depoimento sobre as condições deploraveis do corpo da Liana, que foi misteriosamente cortado.
    Parte da podridão desse caso parte de tentarem suaviza-lo, não sei a que pretexto.
    Tenho como exemplo e vai estar no site o quarto onde Liana e Felipe ficaram o tempo inteiro, juntos, não houve em nenhum momento isso de ficarem em quartos separados, há de se fazer um exercicio forte de estupidez em acreditar que 2 bandidos manteriam 2 reféns em quartos separados em igualdade de numero, sendo que o Felipe já tinha batido em um deles quando entraram em luta corporal na abordagem no sitio, abordagem alias que foi bem pior do que divulgado.

    São 3 anos esperando pra colocar isso aos olhos de todos, gente mais interessada aguardando a mais de 10 anos, preciso de algumas fotos e laudos pra comprovar tudo e aguardarei o tempo necessário pra que isso seja feito direito.

    Vamos esperar agora a copa passar, quem sabe saem de cima desse processo, 5 anos é demais pra minha cabeça.

    ultimas movimentações do processo:

    Data Movimento
    20/10/2009 Despacho Proferido
    07/10/2009 Despacho Proferido
    07/10/2009 Remessa ao Tribunal de Justiça
    27/05/2009 Conclusos para Despacho
    07/05/2007 Remessa ao Tribunal de Justiça

    Hoje a Liana completaria 27 anos. Que ela esteja em paz.

    • Diego Vasconcelos

      Por favor, Bruno, continue lutando para trazer a verdade a tona!!
      É o mínimo que se pode ser feito diante de toda essa inércia da verdadeira justiça.
      Fico ainda perplexo com a existência de postulação desses seres inferiores que são os condenados por esse crime nojento, é realmente inconcebível a idéia de que existam advogados que ainda dediquem de seu tempo para fazer recursos em favor dessas criaturas. A não ser que sejam defensores públicos.

  • felipe

    Achei Muito Interessante seu ponto de vista Bruno, fiquei interessado em saber detalhes quando for autorizado a postar!

  • Bruno

    Aos leitores desse artigo

    O que houve desde a minha ultima postagem:
    Acreditem ou não o processo ainda não voltou da segunda instância.

    Nesse Período, adoeci, passei por cirurgia, mas continuei indo atrás, voltei a Embu,
    consegui pedir o desarquivamento de um processo em separado, o do julgamento do Pernambuco e quando ele retornou ao Fórum de Embu, me foi negado acesso ao mesmo. Cumpri todas exigências legais, procuração, segui todo o tramite legal e nada.
    Não pode.Um jogo de empurra entre responsáveis do Fórum, Juiz e me foi informado que deveria correr atrás do processo principal, o que inviável logística , legal e financeiramente falando.
    Tentaremos uma ultima cartada, na minha opinião inegável pelos “donos” desse processo, pois programas de TV já conseguiram, sem permissão de familiares, coisa que eu tenho.
    Enfim. a burocracia e o desespero em se proteger Champinha e cia limitada, vai cair, não vou desistir disso, se me for negada essa ultima cartada, vamos contar tudo do mesmo jeito mesmo sem documentação, consegui um vídeo que vai me ajudar a contar como isso realmente ocorreu, vocês vão ver a eficiência do Estado, as mudanças de versões sempre para amenizar o ocorrido, o inquérito mal feito e outras coisas que qualquer um nota e que nos foram empurradas goela abaixo como verdades.

    Aviso aqui quando conseguir essa papelada e quanto tempo vai faltar pro site ficar pronto.

    Ao Diego e demais leitores,agradeço a força, esperem mais um pouco vocês vão saber a verdade. Obrigado ao Era pelo espaço.
    Até logo

    • Leandro85

      Bruno, alguma novidade? Já tentou conseguir vista dos autos no TJ, já que estão lá desde então.

      Sobre o processo arquivado, somente o segredo de justiça impede a vista, salvo se obtiver procuração. Se mesmo com procuração não conseguir vista dos autos, isto viola o Estatuto da OAB, em especial o artigo sétimo.

      Boa sorte.

    • Diego Vasconcelos

      Caro Bruno, como anda a luta?
      O tal processo segue em sigilo de justiça? Se não, não ha óbice algum para se ter o acesso ao mesmo. partindo disso essa retenção desses autos esta muito infundamentada, passível de Mandado de Segurança, Reclamação Constitucional e não sei se ate Habeas Corpus no STJ. Um absurdo muito comum nessas secretarias judiciarias e balcões de fóruns, juizados e etc.

  • joao carlos

    caso chocante muito triste mesmo um tiro na cabeça pelas costas e uma menina cara quanta maldade

  • Bruno

    Diego , Leandro e aos demais

    1- Pernambuco entrou com revisão de julgamento, segundo processo foi pra segunda instância também, então não há como ter acesso a ele tão cedo;

    2- Vou contornar isso da maneira possível, vou contar tudo que aconteceu desde que comecei a mexer com esse caso, incluindo o desejo incontrolável de se esconder esse caso.

    3- Sei como aconteceu, porque eles morreram , as datas corretas, tem sido torturante não compartilhar isso com os demais interessados, mas agora eu cansei, vai ser feito do jeito possível.

    4- Como eu dependo ainda de serviços públicos para o que falta, não vou estipular datas mais, outra coisa que me deixou bem chateado, mas faltam detalhes só agora, estou com uns 90% do trabalho concluído, faltam os 10% que não dependem de mim.

    5 – Assim que estiver tudo pronto comunico por aqui,se possível.

    Agradeço a atenção de todos e ao ERA pelo espaço.

  • Bruno

    Nada de novo meus caros
    1 – É Nojento o tratamento dado em órgãos públicos a pessoas que não dispõem de recursos, de mídia pra conseguir seus direitos;
    Como é de conhecimento de todos vocês o Programa Investigação Criminal fez um episodio sobre esse caso, com imagens cedidas pela Policia Cientifica do Estado de SP.
    Pois bem, ao serem indagados sobre a liberação desse material para aquela produtora de fundo de quintal, ninguém sabe quem foi, ninguém responde sobre esse órgão e a ouvidoria da policia Civil se faz de surda também; Deixando a mim e a demais envolvidos que dependendo da condição financeira tudo é possível (uma das partes participou desse programa e obviamente não teve qualquer dificuldade em conseguir o material todo,basta que ele arrote e tudo está nas mãos dele), a outra parte que tem DIREITO também, não consegue nada, fora receber um péssimo atendimento, fui testemunha disso, da má vontade,do descaso, etc.
    2- O processo foi para mão do Desembargador no final de Novembro, sabe-se lá quanto tempo mais ele vai demorar na segunda instância;
    3- Continuo a acreditar que há algo a esconder , o que há de tão espetacular a ser escondido nesse caso?

    Passando os canais hoje na AXN estavam repetindo esse programa, não sei o que me irrita mais nele, as mentiras, a falta de respeito com uma das partes, a atuação digna de “Framboesa de Ouro” eterna do delegado, a incompetência de fazer um lixo daquele com material na mão ou a piada que ilustra bem a qualidade do programa. A Menina passou na Fuvest estando no segundo ano do colegial e fazendo a prova 20 dias depois de ter morrido. Um pastelão,uma das cenas mais patéticas que vi na vida.

    Enfim fico aqui esperando a vagarosidade do Estado e daqueles que dele vivem. Vou operar de novo e capaz de acabar morrendo antes de tirar isso a limpo. :(

    • Bruno

      Ultima informação , julgamento da segunda instância está marcado para o dia 9 de fevereiro de 2017. Será que finalmente volta?

Deixe uma resposta para Pérsio Sandir Cancelar resposta