Visão sistêmica e colaboração nas organizações

Ludwig von Bertalanffy foi um biólogo austrícao integrante do Círculo de Viena. Suas principais intuições apontavam para uma visão dos fenônemos biológicos sob o aspecto do “todo” e não do “particular”, ou seja, o seu olhar para os organismos vivos se direcionava às  relações entre as partes que se interconectam e interagem, percebendo sua totalidade.

A partir destas intuições, Bertalanffy desenvolveu a Teoria Geral dos Sistemas (TGS), propondo uma perspectiva global dos sistemas, de forma a envolver e compreender todas as suas interdependências. Cada um dos elementos, ao serem reunidos para constituir uma unidade funcional maior, desenvolvem qualidades que não se encontram em seus componentes isolados.

Esta teoria influenciou diversos campos do conhecimento, como, por exemplo, sociologia, história, educação, dentre outros. A visão sistêmica, proveniente da TGS, também foi trazida para a perspectiva corporativa. Este olhar sobre os organismos vivos nos permite fazer analogias interessantes com as estruturas organizacionais.

O conceito vem sendo aplicado ao ambito empresarial, em virtude de um movimento contemporâneo de se entender a importância da construção de um ambiente corporativo global e integrado:

A visão sistêmica consiste na compreensão do todo a partir de uma análise global das partes e da interação entre elas, fazendo com que várias forças, internas ou externas, atuem num sistema em funcionamento, procurando entender a influência das partes entre si. Possibilita ao gestor a visão da organização como um sistema global gerando ferramentas organizadas e provedoras de resultados.

Diversos desafios do dia a dia corporativo estão associados à uma falta do olhar para o “todo”: trabalhos que são desenvolvidos de forma isolada que se tornam custosos e lentos,  dificuldade de compreensão e reconhecimento das funções desempenhadas por cada funcionário, desalinhamento de metas e objetivos, dentre outros.

Acredito que facilmente nos vêm à mente exemplos de nossas próprias experiências corporativas, onde muitos problemas surgiram em virtude da falta de integração: trabalhos feitos repetidamente, pois não houve comunicação e uma apropriada divisão de tarefas; falhas na execução de um produto, pois não ocorreu um trabalho coordenado; desavenças provenientes de uma falta de entendimento do papel de cada colaborador em um determinado projeto; metas que não são alcançadas em virtude do desalinhamento das definições dos objetivos estratégicos etc.

Conseguir transformar os processos internos de uma corporação em processos globais e integrados é uma forma de viabilizar uma maior dinâmica aos trabalhos desenvolvidos e, consequentemente, melhores resultados.

Além disso, algumas qualidades organizacionais só podem surgir pela integração das diversas partes, pois surgem deste processo, o que não ocorre se funcionarem como componentes isolados.

Por fim, desenvolver um trabalho de forma sistêmica permite que se tenha um ambiente mais colaborativo, onde as pessoas compreendem melhor o papel de cada um, respeitando e entendendo a importância de suas funções.

O conhecimento e o reconhecimento do trabalho desempenhado por todos faz com que o sentido da palavra “colaborador” possa, de fato, ter sua função apropriadamente aplicada ao ambiente organizacional: cada pessoa colabora para o melhor desempenho do todo. E, consequentemente, um ambiente colaborativo permite uma vivência mais ética das relações, onde cada um integra de maneira respeitosa e construtiva o ambiente corporativo.

Indubitavelmente, um trabalho baseado numa visão sistêmica é um desafio aos gestores, que, na maioria das vezes, estão correndo contra o tempo. Lançar este tipo olhar sistêmico pode parecer, em uma primeira vista, um retardamento aos processos internos, pois exige um trabalho mais amplo, um planejamento maior e um entendimento mais completo das estruturas e procedimentos. Contudo, este esforço parece oportuno para a construção de uma cultura organizacional mais dinâmica, colaborativa e ética.

Referências:

http://www.xtimeline.com/evt/view.aspx?id=430967

http://www.institutosiegen.com.br/documentos/Teoria%20Geral%20dos%20Sistemas.pdf

http://www.ietec.com.br/site/techoje/categoria/detalhe_artigo/875

  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • Orkut
ERA
ERA
Related Posts
Showing 2 comments
  • Edmilson Gomes de LIma

    Texto formidável. Serviu-me, por demais, na elaboração de um gráfico para elaboração de um Planejamento Estratégico.

pingbacks / trackbacks

Leave a Comment