Consequências catastróficas do descumprimento de deveres

Meios de transporte fazem parte da necessidade diária de qualquer pessoa. Hoje em dia a importância do deslocamento é imprescindível. O que ainda impressiona é a falta de qualidade de algo tão essencial. O ocorrido na Argentina no final de fevereiro deste ano foi só mais uma amostra do que tantos têm de enfrentar diariamente. O acidente do trem em Buenos Aires deixou 51 mortos e mais de 700 feridos. O que se discute agora são os motivos e os culpados da tragédia.

As empresas que obtiveram as concessões do Estado são acusadas de não investirem o suficiente em manutenção. Os vagões acidentados tinham mais de quarenta anos e os freios não funcionavam da forma adequada. Por outro lado, dependiam de subsídios do governo para sobreviver, além de venderem passagens a preços que não condiziam com a realidade dos custos de infra-estrutura e de funcionários. A política governamental não era rígida em relação à obrigatoriedade de consertos necessários, e os trens partiam apesar da superlotação e do conhecimento de falhas técnicas. A catástrofe era anunciada.

Assim como o sistema de transporte público, outras empresas estatais na Argentina só se mantêm através de verbas altíssimas. As políticas de redução de custos de serviços públicos –  como gasolina e eletricidade – que no país têm hoje preços muito baixos e encobrem a inflação de 25% ao ano, têm consequências a longo prazo. Essas medidas incentivaram o consumo e fizeram a economia argentina crescer, mas mascarar a realidade compromete a sustentabilidade deste modelo. Se não é corrigido, os problemas começam a aparecer, como foi o caso do acidente ferroviário. As empresas acabam oferecendo um serviço de má qualidade e inseguro, enquanto a economia vive em um mundo fantasioso.

A oposição pede que o governo responda criminalmente pelo ocorrido. Como bem ressaltou a União de Consumidores da Argentina, não se pode deixar de perguntar para onde vai o dinheiro dos subsídios que há tanto tempo são distribuídos. Má gestão acompanhada de corrupção pode criar transtornos que vão além dos problemas financeiros.

Nenhum destes aspectos é exclusivo da Argentina. Decisões “provisórias” tomadas visando à popularidade política antes do bem-estar social e dos resultados no futuro têm eficácia artificial. Os governantes são representantes de toda uma população, mas muitas vezes lideram em busca da mobilização das massas e da notoriedade, esquecendo sua principal função. Medidas populistas são eficientes na acumulação de votos, mas uma ameaça ao desenvolvimento sustentável.

Referências

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,tragedia-pode-tirar-concessao-de-aliado-de-cristina-,839717,0.htm

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/02/baixo-investimento-em-transporte-publico-pode-estar-por-tras-de-tragedia-com-trem-na-argentina.html

http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/acidente-de-trem-em-buenos-aires-deixa-50-mortos-e-675-feridos

  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • Orkut
ERA
ERA
Related Posts

Leave a Comment