A Voz das Ruas

As manifestações que vêm ocorrendo nas últimas semanas, inicialmente em São Paulo e no Rio, e agora nas principais capitais do país, são um fato inédito na cena política do Brasil pelo menos nos últimos vinte anos, talvez mesmo mais. A manifestação de ontem no centro do Rio foi comparada à passeata dos cem mil de 1968 e a das ‘Diretas Já’ em 1984. Contudo, naquela época havia uma forte mobilização capitaneada pela oposição e a passeata das ‘Diretas Já’ contou com políticos de oposição e recém-retornados do exílio, além da participação de atores e cantores, sendo encerrada com um grande comício exatamente no mesmo local das manifestações que ocorrem agora.

O que chama atenção nas manifestações atuais é a ausência de palanques e de discursos, ao contrário mesmo, o movimento ‘Passe Livre’ se declara a-partidário ou ao menos suprapartidário e as convocações pedem que se evitem bandeiras dos partidos. Lideranças políticas estão ausentes das manifestações e têm se mantido estranhamente em silêncio. É significativo que o movimento tenha se iniciado com protestos contra o reajuste de tarifas de ônibus, um ônus para uma população que já sofre com as péssimas condições do transporte público nas cidades brasileiras, quase todo ele na mão de empresas privadas que prestam um serviço de baixa qualidade. Mas, essa reivindicação inicial pelo cancelamento do reajuste serviu de elemento catalisador para a grande insatisfação popular contra a corrupção, a violência, a insegurança, a pobreza e todas as mazelas seculares que nos afetam. Revelam também uma consciência cada vez maior dessa realidade.

A principal e mais significativa novidade nessa mobilização têm sido o papel da internet, ou seja, das redes sociais, que disseminam informação, veiculam imagens, convocam, incentivam, provocam discussão. Esse é um fato novo cujo significado ainda está para ser melhor entendido, mas que altera o profundamente o sentido hoje de mobilização política.

Em segundo lugar, temos como consequência óbvia que entre os grandes perdedores desse processo está a classe política brasileira que, com poucas e honrosas exceções, se tornou incapaz de exercer, no caso dos legislativos, uma efetiva representação política e se encontra alienada dos cidadãos que deveria representar. Como resultado de alianças espúrias que serviram para manter os políticos no poder, deixamos de ter uma oposição que seja um autêntico e legítimo canal de insatisfações e reivindicações populares, deixamos de ter propostas e alternativas políticas. Pois a oposição está surgindo agora e não são poucas as suas bandeiras.

O que sempre preocupa nesses processos políticos é que as manifestações que certamente têm um elemento espontâneo e solidário, sem o qual não se explicaria o número de manifestantes, possam ter os desdobramentos necessários para que venham a se constituir em um processo autenticamente transformador de nossa sociedade. O primeiro passo está dado.

  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • Orkut
ERA
ERA
Related Posts
Showing 2 comments
  • nadson silva

    Um ponto importante abordado neste tema foi a importancia e o apoio das redes sociais, devido ao seu poder de mobilização em massa. Porem, nota-se que a desvantagem foi porque não se definiam um tema a ser revindicado e todos revindivacam tudo ao mesmo tempo.

  • Claudia Monteiro Passos

    E QUAL O SEGUNDO DIANTE DE TANTAS REINVINDICACOES AO MESMO TEMPO.?

Leave a Comment