O monstro e a justiceira

Já faz tempo, ainda mais pra nossa memória curta e ocupada com um excesso de informações tão avassalador que é inassimilável, mas a história de um menino inteiramente desprovido de tudo, massacrado por uma “repórter” em um desses programas sensacionalistas não me passou batida, como também não passou a tanta gente que comentou na época nas redes sociais, que tornaram visível esse rapaz invisível. O caso que aqui relato refere-se a uma suposta jornalista que se arvora a justiceira, condenando, ironizando e humilhando um rapaz detido por roubo e suspeito de estupro . A cena dantesca levanta vários tipos de questionamentos: sobre programas de televisão apelativos, que ferem às finalidades educativas e culturais da concessão pública televisiva; sobre o papel da mídia na nossa cultura que muitas vezes reitera a desigualdade e a criminalização da pobreza; sobre a postura ética da suposta repórter e o questionamento quanto ao acesso que esses programas têm às delegacias e aos detidos.

Mas o que é interessante é que esse rapaz, ao ser cruelmente desprezado pela entrevistadora, paradoxalmente sai de sua invisibilidade e vira tema de discussão nas redes sociais. O garoto, negro, algemado, desdentado e com um hematoma no rosto, vira centro das atenções, provavelmente pela primeira vez na vida, sob luz, câmera e um microfone perverso, a partir da ira da loira defensora dos bons costumes e do bom português.

Não são nada grandes as chances de cruzar a fronteira da exclusão. Paulo Sérgio, que nunca teve pão, curiosamente conseguiu deixar o anonimato, virando circo, a partir de seu crime. E foi assim, por acaso, que entrou no enquadre da Justiça, da qual tanto os miseráveis quanto os abastados são exceção. Ele agora tem a seu favor um processo de danos morais, além da possibilidade de responder ao seu delito dentro dos trâmites legais, em vez de ser mais um invisível esquecido no sistema prisional. Paulo Sérgio, que é analfabeto, tem seis irmãos e vive nas ruas desde criança, era um fora-da-lei, sem direitos e sem deveres. Era um marginal não só no sentido de quem comete um crime, mas de quem vive à margem, fora da lei, fora do pacto social, daquilo que é compartilhado.

O excluído é invisível. Olha-se pro lado oposto, evitando-se a pobreza, pra não se entrar em contato com algo do horror, do estranho, do outro, que, defensivamente, deve ser negado. O estranho, o bárbaro, vira inimigo, que deve e merece ser açoitado em horário nobre. O marginal é a causa da tão temida violência que precisa ser fortemente combatida, evitando-se a invasão do de fora da margem com muros, grades, controles de segurança!

Pois infelizmente parece que é justamente só através da violência que esses invisíveis ganham algum olhar, nem que seja este do temor e do horror. Ser marginal, agora como aquele que rouba ou fere os bons costumes, é uma solução identitária para quem nunca foi visto, é uma resposta à falta de pertencimento, ou justamente um reflexo deste lugar, ou não-lugar social, à margem, que tantos meninos como Paulo Sérgio ocupam.

A possibilidade de reconhecimento é condição fundamental para uma existência que reduza a miséria, não só a social, mas a miséria da alma, que é algo comum a todos nós, que nascemos desamparados em uma existência que necessita de cuidados para ter continuidade e ser construída. Tomara que Paulo Sérgio possa se manter reconhecido e, a partir disso, possa começar a contar sua própria história, deixando de ser para nós apenas um representante de tantos excluídos.

Quando olho sou visto, logo existo.

Agora tenho como olhar e ver.

Agora olho com criatividade (…).

(Winnicott, 1994, p. 157)

Maria Kemper, mestre em Psicanálise pela Universite de Strasbourg

Texto originalmente publicado em:

http://exurbanos.blogspot.com.br/search?updated-max=2012-06-15T16:49:00-03:00&max-results=15

Referências Bibliográficas:

Bastos, L.A. “ Caminho para as Índias: trauma, compulsão e repetição.” XXII Congresso Brasileiro de Psicanálise. 29 avril – 2 mai 2009. Rio de Janeiro, 2009.

__________. “Exclusão social: aspectos traumáticos da violência contemporânea.” Revista Brasileira de Psicanálise, 2006: 57-60.

REIS, E. “Doces e amargos bárbaros.” Polêmica, abril 2012, Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/polemica/article/view/2985/2132.

Viñar, M. “Qué puede decir un psicoanalista sobre exclusión social?” Rio, que cidade é essa? . Rio de Janeiro: SBPRJ, 26 octobre 2007.

Winnicott, D.W. A comunicação entre o bebê e a mãe e entre a mãe e o bebê: convergências e divergências”. Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

 

 

  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • Orkut
ERA
ERA
Related Posts

Leave a Comment