Quanto vale a vitória?

Atletas estudam, treinam, se esforçam e se dedicam para ganharem uma medalha e orgulharem os familiares e todo o Brasil. Muitas vezes, os mesmos deixam suas casas para seguirem seus sonhos, vivem em comunidades de atletas, e só pensam em uma coisa: serem campeões olímpicos. Chance que só têm de quatro em quatro anos.

Para muitos desses atletas o governo concede um benefício chamado “bolsa-atleta” uma vez que estes não tem condições de se sustentarem longe da família. A soma concedida aos atletas pelo programa varia de R$ 370,00 para atletas da categoria de Base à R$ 3.100,00 para atletas olímpico-paraolímpicos (somente para os atletas que participaram de olimpíadas/paraolimpíadas e irão participar nos três anos subsequentes das competições internacionais indicadas pelo respectivo comitê).¹ Infelizmente, esses valores muitas vezes não condizem com a realidade do atleta.

Recentemente, Sarah Menezes, após ganhar o primeiro ouro do Brasil no judô feminino, afirmou: “Nossa vida vai mudar”² referindo-se às condições de sua família. Uma declaração de peso. Uma semana mais tarde, o Yahoo notícias divulgou o valor dado aos atletas medalhistas pelos seus respectivos países.³

No judô (como no caso de Sarah Menezes), o ouro vale R$ 50 mil. Já no atletismo, o ouro vale R$ 30 mil, a prata R$ 20 mil, e o bronze R$ 15 mil. Esta diferença se explica porque no Brasil cada confederação dá uma bonificação monetária aos respectivos medalhistas e não o governo diretamente. O ouro na natação e nos saltos ornamentais, por exemplo, vale 100 mil reais e a prata 50 mil. Cabe ressaltar, porém, que cada comitê recebe investimentos governamentais, fora patrocínios de empresas privadas.

Coreia do Sul, Rússia, Itália e França são países que se destacam quanto ao valor dado aos medalhistas olímpicos de ouro, variando de 130 mil a 600 mil reais. Alemanha, Canadá e Japão, entanto, para os medalhistas de ouro, dão entre 39 mil à 72 mil reais. Já os países líderes do ranking das olimpíadas de 2012 em Londres, como é o caso dos Estados Unidos pagam 20 mil pelo bronze, 30 mil pela prata e 50 mil reais pelo ouro. A China paga 63 mil reais por uma medalha de ouro, seja individual ou por equipes.

Apesar dessa prática corriqueira de premiar financeiramente os atletas já campeões, é surpreendente notar que alguns países não adotam tal conduta. Deve se destacar nesse grupo, o Reino Unido, hospedeiro das olimpíadas de 2012 e a terceira nação do quadro de medalhas das últimas olimpíadas e do quadro de medalhas geral.

As bolsas servem de auxílio, como um salário. Mas essa bonificação monetária é como se fosse um incentivo ao esforço dos atletas nas olimpíadas ou é simplesmente um prêmio por seu excelente desempenho?

O fim das olimpíadas chegou, porém, a discussão continua. Alguns dizem que essas bonificações são injustas à medida que o incentivo é maior se o valor é mais alto. Mas não é isso que indicam os resultados das olimpíadas, e até hoje, ninguém propôs uma solução ideal para esse impasse. Fato é que para os atletas em geral cinquenta mil reais é uma soma que pode fazer uma grande diferença, mas governos de alguns países como o Reino Unido não consideram isso necessário para a vitória.

A questão que parece esquecida é que esses atletas são em primeiro lugar seres humanos como todos nós. Eles trabalham e se esforçam no dia-a-dia para que sejam vitoriosos e orgulhem uma nação inteira. A bonificação não é algo maléfico na medida em que expressa o orgulho do país, mas, no caso de países como o Brasil, será que uma parte desse dinheiro não poderia ser distribuído igualitariamente de forma a ser um incentivo prévio a todos os atletas?

Uma coisa é certa ao observarmos o quadro de medalhas das olimpíadas de 2008 e de 2012: se o atleta tem melhores condições de treinamento, como centros equipados com os materiais necessários para a evolução do mesmo, a tendência é que o atleta venha a ter uma maior chance de vitória, fato corroborado pelos países no topo do quadro de medalhas. Certo destaque deve ser dado à China, que evoluiu muito de 2004 (olimpíadas de Atenas) à 2008 (olimpíadas de Pequim). Investindo mais e dando condições melhores aos seus atletas, aumentou significativamente o número de medalhas (de 63 medalhas para 100 em Pequim sendo 51 destas medalhas de ouro) e melhorou sua posição no quadro geral de medalhas.

A dúvida que continua pertinente, tendo em vista a situação brasileira atual é qual o valor da vitória na medida em que parte do dinheiro investido para a bonificação dos atletas medalhistas poderia fazer parte dos incentivos dados à toda comunidade desportiva Brasileira e não ser somente uma premiação subsequente à vitória de alguns?

1 – http://www.esporte.gov.br/snear/bolsaAtleta/comoParticipar.jsp

2 – http://www.youtube.com/watch?v=TWJ-zO20pjQ

3 http://br.esportes.yahoo.com/fotos/quanto-os-pa%C3%ADses-pagam-aos-medalhistas-slideshow/a-it%C3%A1lia-paga-r-370-mil-por-medalha-de-ouro-na-foto-o-time-feminino-de-esgrima-que-venceu-em-photo-1344089227.html#crsl=%252Ffotos%252Fquanto-os-pa%25C3%25ADses-pagam-aos-medalhistas-slideshow%252Fno-brasil-a-premia%25C3%25A7%25C3%25A3o-n%25C3%25A3o-%25C3%25A9-feita-pelo-governo-e-sim-por-cada-confedera%25C3%25A7%25C3%25A3o-na-nata%25C3%25A7%25C3%25A3o-e-nos-saltos-photo-1344089226.html

4 – http://www.nbcolympics.com/medals/summer-all-time-standings/index.html

5 –  http://en.wikipedia.org/wiki/China_at_the_Olympics

  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Add to favorites
  • email
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • Orkut
ERA
ERA
Related Posts

Leave a Comment